Pub

A Câmara de Castro Marim aprovou ontem medidas de reforço destinadas a conter a propagação da pandemia de Covid-19, encerrando equipamentos municipais, cancelando eventos culturais e desportivos, e reduzindo transportes públicos.

Este reforço foi adotado face às “últimas notícias relativas à pandemia do novo coronavírus Covid-19, nomeadamente o aumento do número de casos e do encerramento das escolas”, e coloca o concelho sob um “plano de contingência apertado”, adiantou a Câmara de Castro Marim, em comunicado.

“A Câmara Municipal de Castro Marim volta a apelar a toda a população que cumpra com rigor todas as indicações da Direção-Geral da Saúde, lembrando que Portugal ainda não atingiu o pico desta pandemia e que devemos estar preparados para um agravamento da situação nas próximas duas semanas”, alerta a autarquia.

O município pretende “minimizar os atendimentos presenciais, privilegiando a via telefónica”, e vai “criar linhas telefónicas e ‘emails’ diretos para os serviços de atendimento ao público”, passando os atendimentos presenciais a ser feitos com “proteção de acrílicos nos balcões”.

As medidas incluem a realização de reuniões inadiáveis por videoconferência e o encerramento da Biblioteca Municipal, do pavilhão, da piscina, da Casa de Odeleite, do Castelo e da Casa do Sal, enumera.

A autarquia adianta que vai “limitar o transporte social a situações essenciais” e “sensibilizar a comunidade para evitar as deslocações”, mas os serviços da câmara poderão dar apoio para “suprir algumas necessidades”.

As medidas de contenção à pandemia de Covid-19 incluem também a suspensão de “todos os eventos e iniciativas culturais, recreativas e desportivas”, com a câmara a assegurar que “prestará todo o serviço social e de saúde preventivo, nomeadamente às populações idosas e mais isolada” do concelho.

O município, com cerca de sete mil habitantes, apela para a compreensão da população e adverte que, “devido à dinâmica do contexto epidemiológico e à incerteza científica sobre as características deste vírus, poderá ser necessário rever as medidas e atualizá-las com alguma frequência, procurado adequar a resposta ao panorama”.

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 5.300 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia.

O número de infetados ultrapassou as 140 mil pessoas, com casos registados em mais de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 112 casos confirmados.

Na quinta-feira, o Governo anunciou que as escolas de todos os graus de ensino vão suspender todas as atividades letivas presenciais a partir de segunda-feira, devido ao surto de Covid-19.

O Governo decidiu também declarar o estado de alerta em todo o país, colocando os meios de proteção civil e as forças e serviços de segurança em prontidão.

Pub