Pub

O Centro de Emprego e Formação Profissional de Faro encerrou hoje à tarde, suspendendo todas as ações de formação, depois de ter sido detetado um caso suspeito de Covid-19 entre os formandos, disse à Lusa fonte oficial.

“Na sequência de um caso suspeito e por prevenção, decidimos suspender as formações até sabermos o resultado das análises [de despiste da doença]” afirmou à Lusa Madalena Feu, delegada regional no Algarve do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Aquela responsável sublinhou que em causa está “a salvaguarda dos restantes formandos e formadores” que frequentaram os mesmos espaços que a formanda que pode estar infetada, no centro de formação do Areal Gordo, entretanto ”encerrados e sem acesso a qualquer pessoa”.

A delegada regional do IEFP revelou que ainda não há uma previsão para ser conhecido o resultado das análises, acrescentando que foi a própria formanda que avisou o centro, após ter-se sentido mal e dirigido na terça-feira à noite ao hospital de Faro.

“Estou a tentar entrar em contacto com as autoridades para tentar perceber, porque não consigo estimar quanto tempo levarão a fazer análise” e logo, quanto tempo o centro terá de permanecer encerrado, referiu.

Aos formandos foi comunicado que “pelo menos até ao fim de semana não haveria formação” mas que, assim que o centro fosse informado do resultado da análise, seriam todos contactados para transmitir as medidas a tomar caso as análises de despiste ao Covid-19 deem positivo.

Madelena Feu adiantou que se o resultado for positivo, será acionado uma outra vertente do plano de contingência, com a “desinfeção de todos espaço onde a formanda ficou”.

“Se o caso se confirmar, temos de avaliar se haverá outros casos e faremos o que a Direção Geral de Saúde (DGS) nos indicar. Não tomaremos qualquer outra decisão que não seja por indicação da autoridade da Saúde”, frisou.

O plano de contingência do Centro de Formação foi ativado assim que a direção tomou conhecimento desta suspeita e vai sendo acionado conforme as informações que forem chegando, para “salvaguardar a segurança de todos os formandos”, concluiu.

Pub