Pub

O Município de Faro está a garantir desde o início da semana refeições em regime de ‘take away’ e vales alimentares a alunos carenciados do concelho, informou ontem a autarquia.

Em declarações à Lusa, o presidente da Câmara de Faro revelou que são “cerca de 90 alunos” dos 1.600 que integram os escalões A e B beneficiários da ação social escolar do pré-escolar e do 1º ciclo que estão a receber apoio na forma de refeições escolares.

Rogério Bacalhau adiantou que a alimentação é assegurada em “regime de ‘take away’” e confecionada na Escola Básica da Conceição, sendo depois “distribuídas em vários estabelecimentos do concelho”.

Na cidade, o ponto de recolha é a Escola Básica do Carmo e nas restantes freguesias as refeições são entregues nas escolas básicas da Conceição, de Estoi, de Bordeira, de Santa Bárbara de Nexe, de Montenegro e Areal Gordo.

Em comunicado, a autarquia adianta que as refeições são servidas em descartáveis de doses individuais que os encarregados de educação ou alunos devem recolher numa daquelas escolas.

A recolha das refeições deve ser feita entre as 12:30 e as 13:30, para consumo nas suas residências, de forma a evitar a permanência nas escolas.

Durante esta primeira semana, desde segunda-feira e até hoje, está prevista a entrega de 554 almoços, numa média de 115 refeições diárias.

O Município informou ainda que vai também disponibilizar, aos alunos dos escalões A e B do ensino pré-escolar e 1.º ciclo, vales para utilização nos estabelecimentos que aderiram ao programa ‘Faro.Somostodos.’e que comercializam produtos alimentares.

Este apoio adicional irá beneficiar 1.530 alunos carenciados, que receberão seis ‘vouchers’, no valor de 30 euros, numa medida que pretende ao mesmo tempo, “beneficiar o comércio tradicional e fomentar a economia circular no concelho”.

Todas as escolas de todos os níveis de ensino estão encerradas desde a passada sexta-feira e durante duas semanas, uma medida anunciada pelo Governo para conter a pandemia de covid-19.

O Governo apontou, entretanto, o dia 8 de fevereiro para o início do ensino remoto, não havendo ainda data prevista para o regresso às aulas presenciais.

Pub