Pub

A Câmara Municipal de Faro está a intensificar a desinfeção das ruas do concelho e a preparar uma linha de apoio para tirar dúvidas e prestar auxílio aos cidadãos, revelou hoje à Lusa o presidente da autarquia, Rogério Bacalhau.

“Se nada falhar, na [próxima] segunda-feira teremos cinco equipas a fazer a desinfeção das ruas de Faro”, afirmou, notando que a empresa municipal de gestão de águas e resíduos (Fagar) tem já duas equipas a fazer a desinfeção, estando a preparar a contratação de mais duas para a semana.

O autarca admitiu à Lusa a dificuldade em contratualizar estes serviços, já que “os recursos são limitados e as empresas não estão já a trabalhar a 100%”, mas mostrou-se esperançoso que, em 30 de março, “as cinco equipas já estejam a fazer a desinfeção em todo o concelho”.

Em fase final de preparação está, também, uma linha de apoio para “tirar dúvidas e dar auxílio aos cidadãos” com funcionários camarários e dois psicólogos, revelou.

Para sexta-feira, está previsto o anúncio de mais medidas destinadas às famílias, depois de os serviços camarários fazerem um levantamento “do seu impacto administrativo e financeiro”, no sentido de “evitar ilegalidades e injustiça nas opções a tomar”, referiu.

Já no terreno está o projeto #Faroemcasa, um sistema de entrega de bens de primeira necessidade a munícipes, estabelecido através de parcerias com frutarias, minimercados, supermercados ou farmácias do concelho.

Este projeto pretende ainda que os moradores de um prédio possam “questionar se o vizinho do lado precisa de algo” e levar bens de primeira necessidade a quem corre mais riscos se não cumprir o isolamento em casa.

Em complemento está a ser prestado apoio a idosos referenciados pela GNR e PSP, “com mais de 100 contactos diários”, revelou, mas “felizmente, a maioria está a ser apoiada pelos filhos”. Ainda assim, a Câmara “continua a fazer esses contactos”.

Através de protocolos com a Casa da Misericórdia de Faro, a Casa da Rapariga e o Movimento de Apoio à Problemática da Sida, estão a ser fornecidas “mais de 100 refeições diárias a pessoas carenciadas” indicadas pelo município, mas há a perspetiva de “aumentar esse valor”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 450 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 20.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

O continente europeu, com cerca de 240.000 infetados, é aquele onde está a surgir atualmente o maior número de casos, e a Itália é o país do mundo com mais vítimas mortais, com 7.503 mortos em 74.386 casos registados até hoje.

Pub