Pub

“Para fazer face à pandemia pelo novo coronavírus e no sentido de colaborar com o Sistema Nacional de Saúde, concretamente na região do Algarve, o Grupo HPA Saúde vai preparar a sua unidade hospitalar de Lagos – Hospital de São Gonçalo – para receber doentes infetados que necessitem de internamento”, anunciou hoje aquele grupo da área da saúde em comunicado.

“Esta disponibilidade já foi comunicada à Diretora Geral da Saúde, como forma de aliviar as instituições e os profissionais do setor público, onde o Grupo terá igualmente referido outras propostas para os restantes hospitais que possui no Algarve. Queremos colaborar neste esforço nacional de contenção da pandemia e mitigar todos os seus efeitos, refere o Grupo HPA”, acrescentou o documento.

O grupo hospitalar refere que “o Hospital de São Gonçalo de Lagos ficará dedicado a doentes COVID-19, com a disponibilidade de 14 quartos de isolamento e 4 postos de cuidados intensivos”. “Pela sua localização, esta unidade permitirá complementar a resposta do SNS no barlavento algarvio, permitindo o encaminhamento dos casos suspeitos desta zona e os identificados nas urgências das outras unidades do Grupo HPA”, adianta o gabinete de comunicação.

O Grupo HPA Saúde já tinha anunciado a semana passada o seu plano de contingência, tendo instalados em todas as suas unidades, postos de triagem para despiste epidemiológico e medição da temperatura, bem como circuitos e procedimentos em caso de contágio. Para esse efeito, foram instaladas unidades móveis externas de isolamento e contenção e ainda postos médicos avançados, como apoio ao suporte avançado de vida em caso de necessidade.

Paralelamente o Grupo HPA Saúde tem neste momento em curso um plano para viabilizar a possibilidade de teleconsulta. “Não podemos deixar que as pessoas se sintam abandonadas, pois já estão suficientemente assustadas com toda esta situação. Por isso temos de nos munir de opções que permitam acompanhar as pessoas, nomeadamente os doentes crónicos, os doentes com necessidade de vigilância terapêutica e todos os que necessitam de nós por outras razões”, refere ainda o comunicado, concluindo “ser imperioso que todos se foquem no essencial: combater esta pandemia”.

Pub