Pub

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, congratulou-se hoje com a decisão dos 16 municípios algarvios de suspenderem a aplicação da taxa turística municipal, “face ao árduo período” enfrentado pelo setor.

O também presidente da Associação de Turismo do Algarve (ATA), citado num comunicado da RTA, aplaude ainda o “deferimento e isenção de outras taxas e pagamentos de serviços dirigidos à população e às empresas”, decididos pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL).

A Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL), que integra os 16 municípios da região, decidiu adiar o prazo de pagamento das faturas da água até maio e a criação de condições para que possam depois ser pagas em prestações, de forma a aliviar o impacto da pandemia da covid-19, nas populações e atividades económicas.

Além desta, foi também aprovado deferir ou isentar o pagamento de rendas em equipamentos públicos concessionados, isentar as taxas de ocupação da via pública e taxas de publicidade e isentar a taxa turística nos municípios que já as aplicavam, suspendendo o início da sua aplicação para onde estava previsto.

O presidente da RTA considera que “neste momento, é a missão primeira de todos, assegurar a saúde pública e o bem-estar das pessoas na região, tanto dos residentes como dos visitantes, mas não se pode descurar a competitividade futura da economia”.

“São as empresas que geram e que continuarão a gerar a riqueza e o emprego na região”, refere o responsável.

Para João Fernandes, “face ao árduo período que as diferentes atividades turísticas atravessam, nomeadamente o alojamento, todos os sinais positivos são importantes passos para uma retoma, pelo que o turismo do Algarve aplaude a decisão dos autarcas algarvios”.

O presidente da AMAL, António Pina, indicou na quarta-feira que tem havido uma concertação entre a associação dos municípios e a Região de Turismo do Algarve para “fazer ver ao Governo as necessidades da região e do setor turístico” face ao impacto motivado pela pandemia da covid-19.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais 480.000 pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 22.000.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, registaram-se 60 mortes, mais 17 do que na véspera (+39,5%), e 3.544 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 549 novos casos em relação a quarta-feira (+18,3%).

O país encontra-se em estado de emergência até às 23:59 de 02 de abril devido à pandemia.

Pub