Pub

A Câmara de Vila Real de Santo António e as autoridades sanitárias criaram uma zona para acolher doentes de covid-19 que não necessitem de hospitalização ou pessoas em isolamento, com 85 camas, num pavilhão da cidade, foi hoje anunciado.

“Este recurso permitirá acolher grupos específicos que necessitem de ficar em isolamento e alojar pessoas que já estejam contaminadas com covid-19 (ou sejam suspeitas de contaminação), prevenindo assim a infeção de familiares e da restante população”, revelou a autarquia, em comunicado.

A estrutura foi montada no Pavilhão João Ilídio Setúbal, junto ao centro de saúde de Vila Real de Santo António, e conta com “85 camas nas devidas condições de higiene e segurança, com separação de áreas e circuitos próprios de sujos e limpos, de forma a evitar focos de contágio” e impedir a propagação da pandemia de covid-19.

“Todas as ações de limpeza, higienização e desinfeção do espaço, vigilância e fornecimento das refeições serão da responsabilidade do município”, precisou a mesma fonte, frisando que o pavilhão onde está a Zona de Apoio à Proteção (ZAP) foi escolhido por estar “próximo do centro de saúde” e contar com “área suficiente para a colocação de camas em que seja respeitada a distância de segurança mínima”.

A mesma fonte destacou ainda a “existência de balneários e sanitários em número suficiente que permita a higiene de doentes e pessoal médico e auxiliar em separado” e de “chão e paredes laváveis que permitem a limpeza de acordo com as medidas de higienização de instalações hospitalares”.

Paralelamente, o “fácil acesso de ambulâncias e profissionais de saúde” e a proximidade ao centro de saúde local são outros dos fatores que estiveram na base da escolha daquela estrutura, prossegue a nota.

“A instalação deste equipamento representa mais um esforço do município de Vila Real de Santo António para implementar medidas e desenvolver ações que visem, não só a minimização do contágio por covid-19 no concelho, mas também o apoio à população afetada ou em situação de vulnerabilidade”, considerou a autarquia.

O anúncio da instalação desta ZAP no pavilhão João Ilídio Setúbal surge dias depois de as autoridades de saúde e a proteção civil no Algarve terem anunciado que estavam a preparar dois hospitais de campanha e mais de 2.000 camas para reforçar a resposta no âmbito do combate à pandemia de covid-19 na região.

Os hospitais de campanha estão instalados no Pavilhão Desportivo da Penha, em Faro, e no Portimão Arena, em Portimão, “ambos com capacidade para 80 a 100 pessoas”, disse na sexta-feira passada o comandante operacional distrital da Proteção Civil, Vítor Vaz Pinto, em conferência de imprensa.

A mesma fonte adiantou que, além das camas dos hospitais de campanha, para os casos mais graves, a maioria das camas estava destinada a doentes ligeiros: 1.120 distribuídas por pavilhões e escolas, 50 no Pavilhão do Farense – que funcionará como retaguarda ao Hospital de Faro – e ainda 680 em hotéis da região.

Vaz Pinto disse ainda na ocasião que estava a ser criada uma rede de apoio às populações “validada pela autoridade de saúde”, no caso de ser necessário “isolar pessoas”, com “1.120 camas distribuídas por 46 localizações nos 16 municípios algarvios”, entre escolas e pavilhões.

Segundo aquele responsável, estas estruturas visam albergar doentes com covid-19 sem necessidade de cuidados médicos e que após a alta “não possam regressar a casa, quer pela sua condição, ou devido à existência de familiares com os quais não possam coabitar”.

Pub