Pub

“A Segurança Social assegurou-se que aquele espaço [a vivenda], não funciona mais como local de acolhimento de crianças, pois não há registo nenhum de que aquela residência particular fosse uma creche”, afirmou Edmundo Martinho.

A proprietária da vivenda, que está a receber apoio psicológico após ter ficado em estado de choque com a notícia da morte de uma menina que estava ao seu cuidado, tomava conta de seis crianças com idades inferiores aos dois anos.

Os pais das restantes cinco crianças estão a ser apoiados pela Segurança Social para que, juntos, encontrem uma solução para a guarda dos filhos, adiantou Edmundo Martinho.

Uma criança de 16 meses de idade morreu terça-feira à tarde em S. Brás de Alportel (Algarve) após queda num pequeno lago ornamental com um a dois palmo de água, tendo entrado cadáver no Hospital Central de Faro.

Os pais da criança que morreu também estão a receber apoio psicólógico, acrescentou Edmundo Martinho.

O Hospital Central de Faro já comunicou ao Ministério Público de Faro o óbito da criança e ordenou a autópsia.

O caso vai ser investigado pela Polícia Judiciária, confirmou hoje à Lusa fonte do Ministério Público de Faro.

Lusa

Pub