Inicio | Igreja | Crianças greco-católicas algarvias celebram o Dia de S. Nicolau

Crianças greco-católicas algarvias celebram o Dia de S. Nicolau

Organizada pela Escola Ucraniana de Faro, a iniciativa será presidida pelo padre Oleg Trushko, o único sacerdote greco-católico a dar apoio à comunidade ucraniana no Algarve, na igreja nova de São Luís de Faro, pelas 16.30h.

A celebração do dia de São Nicolau é uma das tradições dos cristãos de rito bizantino. Na noite do dia 19 de Dezembro são colocados presentes debaixo das almofadas das crianças, excepto àquelas que se portaram mal durante o ano, a quem é feita a oferta de ramos com que supostamente deveriam ser açoitadas.

No mesmo dia é realizada uma festa infantil na igreja com um adulto vestido de São Nicolau, a quem as crianças iram recitar poesia, cantar, tocar instrumentos, entre actividades. No final da celebração também a Igreja oferece presentes às crianças.

Recorde-se ainda que a comunidade greco-católica celebra no dia 7 de Janeiro o nascimento de Jesus Cristo, associando-se assim a muitos cristãos de rito Bizantino que seguem também o calendário juliano.

O rito bizantino, celebrado pelos cristãos orientais, surge quando o império romano se estabelece na cidade de Bizâncio – a actual cidade de Istambul, na Turquia – ficando com duas sedes: Ocidental em Roma e Oriental em Bizâncio.

As celebrações do Natal de Jesus Cristo, por norma mais longas e muito cantadas, são realizadas separadamente para greco-católicos e ortodoxos.

Embora ambos cristãos, as diferenças entre greco-católicos e ortodoxos são evidentes. Enquanto os católicos de tradição Bizantina estão ligados a Roma, tal como os cristãos ocidentais, os ortodoxos seguem as orientações de Moscovo.

Calendário juliano

É um calendário solar criado em 45 a.C. pelo imperador romano Júlio César para trazer os meses romanos a seu lugar habitual em relação às estações do ano, confusão gerada pela adopção de um calendário de inspiração lunissolar. César impõe 12 meses com duração predeterminada e a adopção de um ano bissexto a cada 4 anos.

No ano da mudança, para fazer a concordância entre o ano civil e o ano solar, ele inclui no calendário mais dois meses de 33 e 34 dias, respectivamente, entre Novembro e Dezembro, além do 13º mês, o mercedonius, de 23 dias. O ano fica com 445 dias distribuídos em 15 meses e é chamado de ano da confusão.

Esse calendário começa a ser substituído pelo calendário gregoriano a partir do século XVI – a Rússia e a Grécia só fazem a mudança no século XX.

Samuel Mendonça

Verifique também

Peregrinação desafiou famílias das paróquias da vigararia de Loulé a serem “evangelizadoras do amor”

As famílias das paróquias que constituem a vigararia de Loulé peregrinaram no passado sábado a …