Pub

De acordo com dados da GNR a que a agência Lusa teve acesso, em 2010 registaram-se mais 52 por cento de crimes contra o Estado, mais 31 por cento na condução sob influência de álcool e mais 21,48 por cento no tráfico de droga.

Os dados referem-se ao período entre janeiro e outubro deste ano, comparados com o mesmo período do ano passado.

Os números indicam que o Algarve tinha zero crimes contra a identidade cultural e integridade pessoal (relacionado com a descriminação racial ou religiosa) em 2009, mas que em 2010 registou dois, ou seja teve um aumento de 200 por cento.

O número de crimes contra o Estado, onde se incluem os crimes de desobediência e crimes contra a autoridade pública, aumentou 52,48 por cento. Em 2009, houve "213 casos registados" e este ano já foram contabilizados 325, esclareceu a GNR.

A condução sob a influência do álcool também teve aumentos na ordem dos 31 por cento. Em 2009, a GNR registou 1174 casos e em 2010 já conta com 1539 registos.

A região também registou um aumento dos crimes relacionados com o tráfico de estupefacientes e de conduções sem habilitação legal, cifrado em mais 21,48 por cento.

Enquanto que em 2009, a GNR identificou 1029 casos relacionados com tráfico de droga e condução sem habilitação legal, em 2010 os casos contabilizados foram 1250 até final de outubro.

Os crimes de furto em relação ao período homólogo de 2009, todavia, baixaram 10,15 por cento, ou seja, em 2009 houve 12.013 registos de furtos e danos materiais, mas em 2010, o valor baixou para 10.794 casos.

O número de ocorrências relacionadas com ofensas à integridade física e injúrias (crimes contra pessoas) também baixou (0.87 por cento). Em 2009, a GNR registou 2425 casos, enquanto que este ano, os casos eram de 2204 até ao fim de outubro.

Em termos totais, na região houve menos 3,20 por cento de crimes em 2010, em relação ao período idêntico de 2009, na área de intervenção da GNR.

Lusa

Pub