Pub

O “Juntos pela Europa” (“Together for Europe”, na versão internacional) é uma iniciativa europeia que nasceu em 1998 e que quer “reavivar a alma cristã” do continente.

Tudo começou em Roma, na vigília de Pentecostes daquele ano, quando o Papa João Paulo II reuniu os movimentos e as novas comunidades e pôs em relevo o papel essencial que têm na Igreja.

Fundadores e responsáveis de vários movimentos, para responder ao apelo do Papa, iniciaram um percurso de comunhão, de mútuo conhecimento entre todos, tendo em vista reavivar a alma cristã da Europa. Mais tarde esta comunhão foi alargada a movimentos de outras Igrejas cristãs e deram-se novos passos no sentido de colaborarem para “preencher o enorme vazio religioso da Europa”.

A base da sua comunhão é um “pacto de amor recíproco” inspirado pelo evangelho que os une estreitamente. Com este espírito de comunhão realizaram-se em Estugarda, na Alemanha, em 2004 e em 2007, duas grandes jornadas europeias com o lema “Juntos pela Europa”, de onde surgiu o Manifesto ‘os 7 SIMs’ que sublinha em sete pontos o desejo de contribuir para uma Europa unida, apesar das diferenças, numa colaboração efetiva entre os movimentos e aberta a todas as pessoas.

Uma das intenções centrais do “Juntos pela Europa” é que os vários movimentos e comunidades cristãs se deem a conhecer e que assim se possa desenvolver um novo entendimento e uma nova prática.

Os ‘os 7 SIMs’ propostos são o “SIM à vida, defendendo-a em todas as suas fases”, o “SIM à família, raiz de uma sociedade aberta ao futuro”, o “SIM à criação, defendendo a natureza e o ambiente”, o “SIM a uma economia justa, ao serviço da pessoa e da humanidade”, o “SIM à solidariedade, para com os pobres e marginalizados”, o “SIM à paz, promovendo a reconciliação através do diálogo” e o “SIM à responsabilidade fraterna”, para que as cidades “se tornem espaços e acolhimentos”.

Em maio do ano passado, em Bruxelas, voltou a realizar-se outra jornada à qual a cidade de Faro se associou com diversas dinâmicas de celebração e animação, precedida por uma vigília de oração no dia 24 de março em Vilamoura.

Samuel Mendonça

Pub