Inicio | Sociedade | Cristãos, muçulmanos, judeus, hindus e budistas unidos contra a eutanásia em Portugal

Cristãos, muçulmanos, judeus, hindus e budistas unidos contra a eutanásia em Portugal

Foto © Agência Ecclesia

Representantes de comunidades cristãs, muçulmanas, judaicas, hindus e budistas presentes em Portugal assinaram ontem à tarde uma declaração conjunta em que rejeitam a legalização da eutanásia no país.

“Em nome da humanidade e do futuro da comunidade humana, causa da religião, sentimo-nos chamados a intervir no presente debate sobre a morte assistida, manifestando a nossa oposição à sua legalização em qualquer das suas formas, seja o suicídio assistido, seja a eutanásia”, pode ler-se no documento.

O texto ‘Cuidar até ao fim com compaixão’, uma declaração do Grupo de Trabalho Inter-religioso Religiões-Saúde, foi assinado e apresentado numa conferência que decorreu na Academia das Ciências de Lisboa.

Os responsáveis de oito Igrejas e comunidades religiosas, incluindo o cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, recordam princípios comuns às suas tradições, como “a misericórdia e a compaixão”, que “configuraram, ao longo da história da civilização, modelos sociais capazes de criar, em cada momento, modos precisos de acompanhar e cuidar os membros mais frágeis da sociedade”.

“O que nos é pedido não é que desistamos daqueles que vivem o período terminal da vida, oferecendo-lhes a possibilidade legal da opção pela morte, à qual pode conduzir a experiência do sofrimento sem cuidados adequados”, sublinha o documento.

A declaração conjunta questiona uma sociedade que “abandona, que se desumaniza, que se torna indiferente” perante o sofrimento alheio.

“Confirma-nos nesta convicção a experiência de que quem se sente acompanhado não desespera perante a morte e não pede para morrer”, pode ler-se.

Os responsáveis religiosos apresentam como alternativa à eutanásia os cuidados paliativos e a “possibilidade de uma morte humanamente acompanhada”.

As oito comunidades signatárias rejeitam “tratamentos fúteis”, na tentativa de prolongar a vida, e interpelam a sociedade portuguesa para corresponder “à exigência não mais adiável” de estender a todos o acesso aos cuidados paliativos”.

“Assumimos a disponibilidade e a vontade de fazermos tudo o que esteja ao nosso alcance para participar neste verdadeiro desígnio nacional”, acrescentam.

Os signatários sublinham o caráter “insubstituível e necessário” de cada ser humano, com uma “dignidade intrínseca anterior a todo e qualquer critério de qualidade de vida e de utilidade, até à morte natural.”

O sofrimento do fim de vida apresentado como “um desafio espiritual” para cada pessoa e como um “desafio ético” para a sociedade.

“A dignidade da pessoa não depende senão do facto da sua existência como sujeito humano e a autonomia pessoal não pode ser esvaziada do seu significado social”, realça o texto conjunto.
O documento vai ser entregue ao presidente da República e ao Parlamento.

A 29 de maio vão estar em debate na Assembleia da República quatro projetos-lei relacionados com a legalização da eutanásia; para o mesmo dia está convocada uma manifestação de vários movimentos contrários à legalização da Eutanásia, como a Federação Portuguesa pela Vida.

Agência Ecclesia

Verifique também

Autoridades detêm dois homens suspeitos de vender droga no Algarve

As autoridades policiais detiveram esta semana dois homens por suspeitas de tráfico de droga, no …