Pub

Cuca Roseta fez hoje à tarde uma curta atuação no Hospital de Faro como agradecimento pelo “trabalho extraordinário” que os profissionais de saúde daquela unidade têm feito desde que teve início a pandemia de Covid-19.

A cantora, que atuou durante cerca de 13 minutos no largo diante do edifício da urgência pediátrica, considerou a resposta de médicos, enfermeiros e pessoal técnico e auxiliar um “ato de amor constante”. “Este é o nosso ato de amor que deixamos aqui no Hospital de Faro. Que tenham muita força e motivação para continuar nesta luta”, afirmou Cuca Roseta durante o evento, apoiado pela Hyundai Portugal, que foi transmitido em direto nas redes sociais do jornal Folha do Domingo e da Mais Algarve.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A cantora interpretou três temas do seu recente álbum ‘Meu’, lançado em dezembro passado e composto de 12 canções escritas e compostas por si, com géneros tão distintos que vão do fado ao folclore, passado pela música popular portuguesa, por algumas baladas, e até uma coladera com travo a samba. E foi precisamente com essa ‘Negrita’ que Cuca iniciou a homenagem de hoje. Seguiram-se ‘Preto e Branco’ e ‘Roda da Saia’.

A atuação de Cuca Roseta, acompanhada por Sandro Costa na guitarra portuguesa, Tuniko Goulart na guitarra clássica e por Marino de Freitas no baixo, contagiou rapidamente a numerosa assistência que veio à rua e às janelas daquela unidade de saúde.

A cantora desejou aos homenageados que continuem o “trabalho incrível que têm feito”. Em entrevista exclusiva para o Folha do Domingo e para a Mais Algarve, Cuca Roseta explicou a ideia de passar a cantar junto às janelas dos portugueses, durante o primeiro confinamento, e agora de passar por alguns dos hospitais do país.

“Vemos que está a acontecer muita coisa no nosso país e que temos de nos unir”, afirmou, realçando que os profissionais de saúde “estão há meses quase sem levantar a cabeça”. “Eles são os primeiros a precisar de esperança e de música. E a música faz isto. A música é um bálsamo e vemo-los a dançar nas janelas e a sorrir e, durante um bocadinho, terem esta «bomba de oxigénio» que eles também precisam para continuarem com os atos de amor constantes que têm tido”, completou, garantindo que a experiência “tem sido incrível” e isso mesmo tem sido confirmado pelos destinatários do reconhecimento.

“São uns minutos de música que fazem toda a diferença. Fico muito feliz de pôr o meu dom ao serviço também e de a voz ser também um ato de amor porque nesta altura temos mesmo de nos unir”, reforçou a cantora que ainda pediu aos portugueses que “tenham força, tenham fé” e procurem “manter a calma” para que o medo não os invada. “Tenham muita fé. Sinto que, ao longo deste ano, vamos livra-nos desta pandemia, se Deus quiser”, concluiu.

Paulo Neves, da administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA), agradeceu à cantora e à Hyundai por terem “trazido esperança e este gesto de amor” ao “maravilhoso capital humano” daquela instituição. “Muito obrigado por este reforço de esperança para os meses que aí vêm. Para o Algarve e para Portugal, estes gestos são fundamentais para se unirem a quem faz a vida dos outros melhor. E vocês também fazem por isso”, afirmou. “Voltem ao Algarve quando isto estiver melhor. Melhor, o tempo, que isto agora é sempre a melhorar”, acrescentou aquele responsável.

Depois de ter passado por hospitais de Aveiro, Gaia, Porto, Coimbra e Faro, a iniciativa, intitulada “Música com Esperança”, concluiu-se amanhã em Cascais.

Pub