Pub

As arribas instáveis das praias de Santa Eulália e Maria Luísa, em Albufeira, e na praia do Camilo, em Lagos, vão ser até ao mês de junho alvo de intervenções urgentes, devido ao aumento do risco para os utentes causado pelos temporais de inverno, explicou o diretor regional da Agência Portuguesa do Ambiente (APA), Sebastião Teixeira.

"O que vamos fazer, na prática, é antecipar a derrocada, acabar o trabalho que o mar não acabou e deitar abaixo o que ficou instável", disse o geólogo, sublinhando ser necessário acabar o trabalho da natureza para dar um perfil estável às arribas.

As intervenções devem-se ao agravamento da instabilidade daquelas arribas, provocado pelas intempéries de inverno, que causaram 12 desmoronamentos no barlavento (oeste) algarvio, embora segundo Sebastião Teixeira, este tenha sido um ano "médio" em termos de desmoronamentos.

Segundo explicou aquele responsável à agência Lusa, as intervenções consistem em cortar a arriba de cima para baixo, fazendo cair o que está instável para promover um perfil mais favorável à sua estabilidade.

As operações de saneamento nas praias do Camilo e Maria Luísa – aonde no verão de 2009 a queda de uma arriba causou a morte a cinco pessoas -, deverão terminar no final desta semana, mas na praia de Santa Eulália serão mais demoradas, devendo estender-se durante um mês.

Nesta praia de Albufeira, a instabilidade da arriba agravou-se muito durante o inverno, colocando em risco a integridade de um sítio arqueológico do período romano identificado no topo, cujo levantamento arqueológico decorre em simultâneo.

Devido à presença daqueles vestígios, a Administração da Região Hidrográfica (ARH) do Algarve – departamento da APA responsável pelos trabalhos -, decidiu reduzir ao mínimo o saneamento, fazendo uma proteção na base da arriba.

Segundo Sebastião Teixeira, no entanto, os primeiros dois a três metros da arriba estão "condenados", o que significa que essa área vai desaparecer, uma vez que não é possível dar estabilidade a uma arriba sem cortá-la na crista, concluiu.

Lusa

Pub