Pub

“Não nos acomodemos, não nos instalemos, não estacionemos na nossa vida, nem naquilo que diz respeito à nossa vocação e missão de sermos anunciadores e testemunhas de Cristo ressuscitado”, pediu o bispo do Algarve no último domingo aos cristãos algarvios, no dia em que se celebrou o Dia da Igreja Diocesana do Algarve.

Na homilia da missa de Pentecostes, a festa do Espírito Santo, D. Manuel Quintas pediu aos fiéis que abram o coração à “ação do Espírito [Santo]” para construírem uma “Igreja viva”. “Queremos no Algarve edificar uma Igreja que seja expressão da ação do Espírito e que seja fruto do contributo de cada batizado e de cada crismado, fortalecido na sua fé pelo Espírito Santo”, complementou, lembrando que todos são chamados a ser “construtores” da Igreja, “cada um segundo a sua condição, cada um pondo ao serviço do bem comum os dons com que o Espírito o enriqueceu”. “É assim que nos sentimos e devemos crescer, cada vez mais, nesta corresponsabilidade na Igreja”, acrescentou.

“Deixemo-nos sacudir, neste dia, pelo Espírito! É pela ação do Espírito que podemos perder o medo e, em todas as situações e circunstâncias, responder àquilo que o mundo nos pede: ser sinais de esperança, de alegria, da força do amor de Deus que se manifesta de tantas maneiras e formas na nossa vida, mas que precisa dos nossos gestos e atitudes para se tornar presente no coração daqueles que vivem connosco e ao nosso lado”, complementou o prelado.

O bispo do Algarve desafiou ainda os algarvios a serem “luz”, “sal” e “fermento” nas paróquias, como “expressão do amor de Deus derramado no coração” de cada um.

A celebração da eucaristia ficou ainda marcada pela administração do sacramento do crisma a 97 pessoas, sobretudo jovens, oriundos das paróquias da Conceição de Faro (31), Loulé (1), Salir (14), Santa Bárbara de Nexe (14) e Sé de Faro (37).

Samuel Mendonça

Pub