Pub

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

O bispo do Algarve pediu hoje ao clero algarvio que dê particular importância à vivência das dimensões da “fidelidade” e da “verdade”.

O apelo de D. Manuel Quintas foi deixado na missa no Seminário de São José, em Faro, com que se iniciou o Dia do Clero da Diocese do Algarve que hoje se assinala, uma jornada anualmente dedicada no final da cada ano pastoral ao crescimento da fraternidade, partilha e convívio entre bispo, padres e diáconos.

“Não é fácil a nossa vida, de modo a vivermos em atitude permanente de fidelidade. Só com a força de Deus e com a presença e ação do Espírito, que somos convidados a acolher cada dia, e só também com a força e a presença daqueles que nos são mais próximos”, começou por reconhecer o prelado na celebração, participada por 32 sacerdotes e quatro diáconos, que teve início com um sugestivo cântico cujo refrão destacava que “a messe é grande e os operários são poucos”.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

D. Manuel Quintas lembrou que “a palavra fidelidade nunca pode desligar-se da dimensão da fé, da confiança em Deus e da dimensão fraterna”. “Nesta está não só a fraternidade presbiteral, mas também a fraternidade da própria comunidade que somos chamados a servir, ela que nos apoia, acompanha e reza por nós, serve de sustentáculo e de apoio também à nossa própria fidelidade”, acrescentou.

O bispo diocesano destacou igualmente a importância da verdade. “É fundamental esta procura da verdade em nós e, ao mesmo tempo, deixarmos que essa verdade nos ilumine. A dimensão fraterna deve apoiar-se na procura da verdade sobre si mesma e a caridade, o amor, é o elemento decisivo para que esta verdade seja autêntica”, sustentou.

D. Manuel Quintas ao cultivo da “paciência de Deus”. “Temos de cultivar a paciência pastoral, connosco e com os outros. Neste tempo da eficácia e da rapidez, por vezes, sofremos e falta-nos essa paciência pastoral desse agir de Deus”, considerou.

Durante a celebração, o bispo diocesano fez ainda referência à pastoral vocacional, na qual disse dever envolver-se e corresponsabilizar-se o clero algarvio, e lembrou também a ordenação episcopal do cónego Francisco Senra Coelho da Província Eclesiástica de Évora, à qual a Diocese do Algarve pertence, os sacerdotes que estão a celebrar jubileus de ordenação, os padres doentes e os falecidos no último ano.

© Samuel Mendonça
© Samuel Mendonça

Durante a missa, o bispo do Algarve lembrou igualmente as ordenações sacerdotal e diaconal do próximo sábado na diocese algarvia, tendo o seminarista Nelson Rodrigues, que irá ser ordenado diácono, sido admitido às Ordens Sacras, celebração em que o candidato ao diaconado manifesta publicamente o desejo de se consagrar ao serviço de Deus e dos irmãos na Igreja.

Depois da celebração, o clero algarvio foi visitar o Parque Natural da Ria Formosa.

Pub