Inicio | Igreja | Diocese do Algarve promoveu formação sobre administração paroquial

Diocese do Algarve promoveu formação sobre administração paroquial

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A Diocese do Algarve, através do seu Centro de Estudos e Formação de Leigos do Algarve (CEFLA), promoveu no passado sábado, uma jornada de formação sobre administração paroquial.

A iniciativa, que se realizou no Centro Pastoral e Social da Diocese do Algarve, em Ferragudo, contou com 58 participantes e teve como formadores o diácono Luís Galante e o padre Miguel Neto.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A intervenção do primeiro orador incidiu num momento inicial sobre “Os bens temporais da Paróquia”, tendo-se referido detalhadamente aos procedimentos jurídicos que compete às comunidades paroquiais como pessoas coletivas levar a cabo. Aquele advogado, que é simultaneamente o ecónomo da diocese algarvia, começou por lembrar que “a paróquia tem capacidade jurídica”, isto é, “a possibilidade de ser titular de relações jurídicas, de direitos e deveres”, observando que a capacidade jurídica das pessoas coletivas é distinta da das pessoas singulares.

O orador lembrou, por isso, que as paróquias têm capacidade para “adquirir, conservar ou alienar” bens temporais e advertiu que “a Igreja deve utilizar na sua missão somente aqueles bens que forem conformes ao evangelho”. “Não devem ser ostensivos”, complementou, esclarecendo que “só é lícito à Igreja possuir bens temporais para prosseguir os fins que lhes são próprios”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Referindo-se ao “direito de superfície” que muitas vezes é concedido às paróquias, bem como ao “direito de propriedade” por “compra, venda, doação ou acessão”, o diácono Luís Galante destacou o pároco como administrador da paróquia e disse que “as ofertas feitas ao administrador de qualquer pessoa jurídica canónica presumem-se feitas à pessoa coletiva”, a não ser que haja uma explicitação em contrário.

O formador, que distinguiu entre administração ordinária e extraordinária, explicou que “o administrador não pode realizar atos de administração extraordinária sem a autorização do bispo diocesano”. O diácono Luís Galante alertou ainda que para realizar uma alienação o administrador tem de ter a autorização do bispo e nalguns casos da Santa Sé e acrescentou que também o “arrendamento requer sempre autorização do ordinário diocesano”, isto é, o bispo ou vigário geral.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O orador, que abordou os “bens arrolados” à Igreja no período da Primeira República, esclareceu os presentes sobre os procedimentos com o registo de bens, alertando que o bem estar registado na Conservatória do Registo Predial não é o mesmo de estar inscrito na matriz predial urbana das Finanças.

O ecónomo diocesano disse ainda que a paróquia deve “receber os frutos das rendas, pagar os juros dos empréstimos e das hipotecas e procurar amortizar o capital em dívida o mais próximo que possa”. “Se sobrar dinheiro, deve aplicá-lo para ele render”, acrescentou, aconselhando ainda os responsáveis paroquiais a “pagar contribuição justa aos seus colaboradores”, bem como os respetivos encargos sociais.

Aquele jurista aconselhou ainda a paróquia fazer “inventário de todas as coisas móveis e imóveis”, a ter seguro multirriscos e a constituir o Conselho Económico paroquial.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Na segunda parte, em que abordou “O Fundo Paroquial e as receitas consignadas”, explicou que este “é constituído pelo conjunto de bens que pertencem à paróquia”. “Para esse fundo revertem as receitas da paróquia e dele saem todas as suas despesas”, explicou, tendo-se referindo ainda aos estipêndios pela celebração das eucaristias, às taxas pela celebração de sacramentos ou exéquias, entre outros aspetos.

A terceira parte da formação, a cargo do padre Miguel Neto, incidiu sobre “Registos paroquiais e procedimentos” relacionados com os sacramentos do batismo e matrimónio, referindo-se o sacerdote em particular ao sistema informático de gestão paroquial da Diocese do Algarve.

Embora prioritariamente para os alunos do Curso Básico de Teologia, a jornada destinou-se a todos os que quiserem participar, particularmente aos membros dos Conselhos Paroquiais (Económico e Pastoral) e aos colaboradores dos cartórios e secretarias paroquiais.

Verifique também

Congresso Internacional da Catequese contou com participação de três representantes da Diocese do Algarve

Foram três as participantes da Diocese do Algarve no Congresso Internacional da Catequese, promovido o …