Pub

Segundo a Guarda Nacional Republicana, o furto foi impedido pelo proprietário do terreno, que surpreendeu de madrugada um grupo de quatro homens que se preparavam para carregar uma “grande quantidade de cortiça”.

Dois dos homens conseguiram fugir de carro enquanto os outros dois tentaram fugir pelo mato, diz a GNR, que deslocou duas patrulhas ao local para tentar localizar os assaltantes.

A GNR detetou depois duas carrinhas alugadas prontas a carregar a cortiça.

Mais tarde, já de manhã, a GNR localizou os dois suspeitos que fugiram a pé em Loulé, quando compravam roupas para se livrarem das que tinham vestidas, que estavam sujas e molhadas.

A GNR interceptou-os à saída da loja, tendo um deles sido de imediato detido sem oferecer resistência e o segundo tentado escapar, agredindo um dos militares e empurrando uma idosa que caminhava no passeio e que teve de ser assistida no centro de saúde de Loulé.

Este homem tinha uma arma de fogo que, segundo a GNR, tinha sido furtada em Évora há três anos.

O primeiro detido tinha a chave de uma das carrinhas apreendidas e onde foi encontrada uma caçadeira, que se supõe ter sido também furtada, e 50 doses de haxixe.

O homem que tentou fugir pela segunda vez, de 33 anos e residente em Setúbal, tem cadastro por homicídio, furtos e roubos.

No passado já tinha sido detido por resistência e coação sobre funcionário e posse de arma furtada, diz a GNR.

Depois de presente a tribunal, ficou sujeito a Termo de Identidade e Residência, ficando também obrigado a apresentações semanais às autoridades e proibido de sair da área da residência.

O outro detido, da mesma idade e residente no Montijo, foi constituído arguido por suspeita de participação na tentativa de furto e libertado mediante Termo de Identidade e Residência.

Lusa

Pub