Pub

O Diário da República publicou hoje um aviso a dar conta de que a empresa requereu a atribuição dos “direitos da prospeção de pesquisa de depósitos minerais de cobre, zinco, chumbo, estanho, volfrâmio, antimónio, ouro e prata, numa área ‘Alcoutim’, localizada nos concelhos de Alcoutim e Castro Marim, distrito de Faro”.

Confrontado a possibilidade de haver prospeção mineral no concelho de Castro Marim, o presidente da Câmara, José Estevens, disse desconhecer o assunto, pelo que se escusou a tecer comentários.

Já o presidente da Câmara do município vizinho de Alcoutim, Francisco Amaral, disse à Lusa ter tomado conhecimento do pedido da Bolt Resources hoje, quando leu o aviso no Diário da República, mas admitiu que uma eventual exploração de minério pode ser benéfica para o concelho, situado na serra algarvia e que é um dos mais desertificados do país.

“A exemplo do que se passa em concelhos do Alentejo, a exploração de minério é um fator de desenvolvimento e pode ser positivo em termos económicos e de criação de emprego para esta zona”, disse o autarca, sem se querer alongar em mais comentários.

A publicação do aviso no Diário da República, pela Direção-Geral de Energia e Geologia, estabelece o início de um prazo de 30 dias para “todos os interessados apresentarem reclamações ou apresentarem direitos de preferência”.

As eventuais reclamações terão ser dirigidos, “por escrito com o devido fundamento”, dentro desse prazo, à Direção de Serviços de Minas e Pedreiras da Direção-Geral de Energia e Geologia, em Lisboa, onde o pedido pode ser consultado nos dias úteis, na hora de expediente.

Lusa

Pub