Pub

Encabeçada atualmente pelo Pe. Pedro Manuel, esta equipa, existe na Diocese do Algarve há 30 anos, no entanto, nos últimos tempos tem tido uma maior visibilidade. Segundo o Pe. Pedro “tem havido alguma preocupação com a causa vocacional, que já tinha partido da anterior equipa do Seminário quando criou bons hábitos como o Laus Perene e, ultimamente, pensei que tinha de haver alguma coisa que falasse aos jovens sobre a vocação, portanto organizamos estes encontros, onde estão representados os carismas da Diocese, montamos uma estrutura de voluntariado, de vigílias de oração e de encontros de formação para catequistas”.

“Todos os encontros têm sido muito positivos, porque não temos nada para esta faixa etária. Aliás, digo sempre com muito orgulho, que já tivemos pessoas que entraram no seminário” entusiasmadas pela Pastoral Vocacional. É isto que nos ajuda a perceber que tudo vale a pena”. Apenas o “que nos falta é os párocos assumirem esta Pastoral nas suas paróquias e, a partir daí, começarem a mandar pessoas”.

No caso concreto do encontro realizado ontem existiu um trabalho de proximidade nos 15 dias anteriores por parte do Pe. Pedro Manuel junto dos adolescentes e jovens que frequentam as aulas de EMRC no concelho de Monchique, caracterizando-o como “momentos de grande partilha, e de uma amizade extraordinária” por parte de quem o recebeu. O Instituto das Irmãs do Sagrado Coração de Maria de Monchique também teve um papel relevante neste encontro pois testemunhou através das religiosas presentes na paróquia e por duas jovens do Instituto as suas ações e o que é optar por ser religiosa. Paralelamente, houve oportunidade para o testemunho de um casal que teve em missão em S. Tomé e Príncipe porque “facilmente dizemos que gostávamos de ajudar os mais pobres e é bom que estes jovens acordem, pois vivem numa sociedade marcada pelo individualismo e que se preocupa muito pouco em mostrar o mundo real às nossas crianças”, acrescentou o P. Pedro.

Para uma continuidade após cada encontro “entregamos várias possibilidades de contacto connosco e até ao final do ano vamos realizar atividades de voluntariado, vigílias de oração, encontros no seminário, para rapazes e encontros de outro género, para as raparigas, bem como um encontro final no dia 25 de junho na praia de Ferragudo. Em relação ao próximo ano não sei ainda, porque o futuro a Deus pertence.”

Para finalizar o dia, o P. Pedro deixou uma mensagem de felicidade “porque quando descobrimos que Deus nos ama e que Jesus Cristo é o melhor remédio para a nossa vida só podemos estar felizes.” Alertou ainda os jovens para que “não tenham medo de se libertarem das prisões que têm na cabeça. Arrisquem, porque ainda que andemos à rasca, nem eu nem vocês somos uma geração rasca.”

Alexandra Campos da paróquia Matriz de Portimão, uma das participantes repetentes, deixou a mensagem “venham e vivam” aos jovens da sua idade que não participaram e caracterizou o encontro como “muito positivo” tal como todos os outros adolescentes e jovens com quem a Folha do Domingo falou e que manifestaram o sentimento de voltar a repetir.

Lúcia Costa

Pub