Pub

O local arqueológico de Vale Boi foi descoberto em 1998, mas uma sequência de projetos coordenados pelo investigador Nuno Bicho tem permitido obter informações acerca da vivência dos caçadores pré-históricos na região e sobre a ocupação humana do Algarve, desde há mais de 30 mil anos.

“A ideia era essencialmente conhecer a vivência dos caçadores-coletores pré-históricos de há mais de 10 mil anos. Vale Boi seria – e é – ideal para isso porque tem uma sequência de ocupação humana muito mais longa do que nós pensámos inicialmente”, explicou à agência Lusa Nuno Bicho, também professor da Universidade do Algarve.

O coordenador do projeto salientou que a preservação dos materiais no local é “muito boa”, o que permite “perceber elementos como seja o da subsistência dessas pessoas, das alterações ambientais que existiram e que tiveram impacto na vida desses homens e mulheres pré-históricos”.

“Outro elemento que temos agora em mãos é perceber como é que se deu a primeira ocupação humana da nossa espécie [Homo sapiens sapiens] no Algarve e no país, porque temos as datações mais antigas para ocupação em Portugal e, de facto, no sul da Península Ibérica. Isto há 32, 33 mil anos”, afirmou Nuno Bicho.

Para o investigador, um dos pontos mais interessantes é saber o que aconteceu na região antes da chegada dos Homo sapiens sapiens, que terão vindo substituir os Neandertais, seres que poderão também ter marcado presença em locais como Vale Boi.

A relação entre as duas espécies fica pontuada por perguntas que ainda estão longe de ser resolvidas, de acordo com o académico, e por três hipóteses.

A primeira é que “havia uma espécie, os Neandertais, que depois foram substituídos por uma nova espécie e essa substituição deu-se havendo um intervalo entre as duas”, dizendo a segunda teoria que houve contacto entre as duas espécies, mas não trocas culturais e genéticas.

“A terceira possibilidade é que, tendo havido conhecimento entre as duas espécies, houve trocas ao nível cultural e genético”, referiu Nuno Bicho, que lembrou que há números significativos da população humana hoje que tem entre dois a 2,5% de ADN Neandertal.

O dia aberto da jazida arqueológica paleolítica de Vale Boi realiza-se pela segunda vez e decorre das 10:00 às 16:00 do próximo sábado, entre Lagos e Vila do Bispo. Aí, o público terá "oportunidade de ver em detalhe o trabalho de escavação arqueológica, observar e mexer nos artefactos exumados com mais de 30 mil anos e fazer, na primeira pessoa, todas as perguntas que entender”.

Dia 01 de agosto vai, ainda, realizar-se uma palestra sobre o trabalho desenvolvido, no Centro de Interpretação de Vila do Bispo, e outra, no dia seguinte, na Fortaleza de Sagres, desta feita em inglês.

Lusa

Pub