Pub

O escritor Pepetela, Prémio Camões 1997 e um expoente da literatura de língua portuguesa, terá como padrinho o professor António Correia e Silva, reitor da Universidade de Cabo Verde.

Em entrevista à UALg, Pepetela assume-se como um "ficcionista" e afirma que "mesmo sem prémios escreveria na mesma".

"Sigo uma linha de preocupação em relação às situações que vou encontrando, em particular na sociedade angolana. Por vezes dá-me gosto ir ao passado procurar uma ponta do véu que possa explicar o presente, ou alguma particularidade do presente. Há pois uma certa continuidade entre o sociólogo e o ficcionista", conta o escritor.

A atribuição do título de "doutor honoris causa" a Pepetela partiu de "uma proposta do Conselho Científico da Faculdade de Ciências Humanas e Sociais e foi aprovada, por unanimidade, no Senado da Universidade do Algarve.

Pepetela afirma estar "muito comovido pela lembrança da Universidade do Algarve”.

"Com esta homenagem, está a abrir os braços a um escritor que é, acima de tudo, um cidadão angolano. Suponho que a homenagem deva ser estendida ao meu país e isso provoca sem dúvida um certo orgulho, o de me considerarem até certo ponto um embaixador de uma cultura ainda tão mal conhecida", comenta.

A cerimónia de atribuição do título de "doutor honoris causa" vai decorrer no grande auditório da UAlg, no Campus das Gambelas, a partir das 16:00, com um cortejo académico, seguido do discurso do reitor da UAlg, João Guerreiro e do "laudatio" (louvor) proferido por António Correia e Silva.

Pepetela, 69 anos, autor de 16 obras, como a "As Aventuras de N’Gunga", “Predadores”, "Contos de Morte" ou "O Planalto e a Estepe" nasceu em Benguela, Angola, em 1941 e é descendente de uma família colonial portuguesa.

As suas narrativas encontram-se publicadas em Portugal e no Brasil e estão traduzidas na Alemanha, Bulgária, Chile, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Grécia, Holanda, Inglaterra, Itália, Japão, Noruega, Rússia, Suécia, Suíça e Uruguai.

Em fins dos anos 1950, Pepetela iniciou estudos superiores em Portugal, mas com o início da luta armada de libertação nacional em 1961, exilou-se em França e depois na Argélia, onde se licenciou em Sociologia.

O escritor, que ganhou o Prémio Camões em 1997, esteve empenhado no processo de independência do seu país, foi guerrilheiro e ocupou, depois de 1975, cargos destacados no partido do governo, tendo sido diretor do Departamento de Orientação política do MPLA e vice-ministro da Educação.

Pepetela é atualmente professor universitário em Luanda, Angola, e membro da Comissão Diretiva da União dos Escritores Angolanos.

Lusa

Pub