Pub

Segundo apurou a FOLHA DO DOMINGO, na última semana o sacerdote foi sujeito a uma intervenção cirúrgica devido a doença do foro oncológico, operação que, segundo informação médica, terá corrido dentro do previsto, pese embora tenha servido apenas para confirmar o avançado estado de desenvolvimento da enfermidade.

Ordenado na Sé de Faro a 29 de junho de 1985 pelo bispo do Algarve de então, o falecido D. Ernesto Gonçalves Costa, o cónego Gilberto Melquíades Soares Santos licenciou-se em Teologia pela Universidade Católica Portuguesa de Lisboa e em Direito Canónico e Civil pela Pontifícia Universidade Latranense, em Roma.

A 7 de outubro de 1985 foi nomeado em secretário do bispo do Algarve, D. Ernesto Gonçalves Costa, vice-chanceler da Câmara Eclesiástica, cerimoniário da Sé de Faro e responsável pelos seminaristas e candidatos ao Seminário de São José de Faro; a 30 de janeiro de 1986 foi nomeado assistente diocesano do Movimento Esperança e Vida e, a 4 de setembro de 1986, diretor espiritual do Seminário de Faro e membro do Secretariado da Liturgia Música e Arte Sacra da Diocese do Algarve.

A 10 de dezembro de 1986 foi nomeado administrador paroquial da paróquia de Olhão, a 15 de maio de 1987, vogal do Secretariado da Pastoral das Vocações da diocese algarvia e, a 22 de janeiro de 1988, capelão do Colégio de Nossa Senhora do Alto, tendo sido, a 25 do mesmo mês, nomeado membro do Conselho Diocesano para os Assuntos Económicos.

A 26 de outubro do mesmo ano foi nomeado vice-presidente da Comissão Instaladora do CEFLA – Centro de Estudos para a Formação de Leigos do Algarve e a, 28 de agosto de 1992, nomeado administrador paroquial de Almancil. A 01 de janeiro de 1994 foi nomeado vigário judicial do Tribunal Diocesano e, a 30 de junho de 2000, nomeado vigário judicial-adjunto no Tribunal Eclesiástico Interdiocesano de Évora, Beja e Algarve, onde era atualmente juiz vice-presidente.

A 8 de setembro de 1994 foi nomeado pároco de Almancil e, em outubro do mesmo ano, nomeado professor da Universidade do Algarve. A 30 de abril de 1995 foi nomeado administrador paroquial de São Pedro de Faro e, a 2 de fevereiro de 1996, nomeado cónego capitular da Sé de Faro, tendo desempenhado, desde 2 de maio do mesmo ano, as funções de tesoureiro-mor do Cabido daquela catedral, cargo que mais tarde passaria a designar-se por arcediago.

O sacerdote falecido exerceu ainda as funções de administrador da Tipografia União – Folha do Domingo e vigário da vara de Loulé e estava igualmente ligado à Obra de Nossa Senhora das Candeias, em Olhão.

O exercício do ministério do sacerdote fica indubitavelmente marcado pelo trabalho, não só realizado no âmbito do Direito Canónico, mas em prol da manutenção, recuperação e edificação do património da Igreja e dos espaços de culto, nomeadamente na Sé da capital algarvia, a igreja-mãe da diocese, e na paróquia de Almancil.

O pároco de Almancil tinha ainda em mente um projeto para a construção de um conjunto de infraestruturas que, depois de concluídas, deveriam dinamizar por completo aquela comunidade e que contemplava a edificação de uma nova igreja – dedicada a Nossa Senhora de Fátima e cuja primeira pedra foi benzida e lançada em maio do ano passado – , e de um centro paroquial em plena vila, bem como de uma igreja para servir Vale do Lobo e Quinta do Lago, para além de uma creche e ATL, também em Almancil.

Por ocasião da celebração dos 25 anos da sua ordenação sacerdotal que quis assinalar no dia 29 de junho do ano passado, na capela Carmelo de Faro (Patacão), o cónego Gilberto Soares Santos lembrou que Deus chama o vocacionado ao sacerdócio numa “atitude de predileção”. “Chama-nos a um serviço. O sacerdote não se ordena para si, mas em ordem a uma comunidade que é a Igreja, para servir o povo de Deus. Deus serve-se daquilo que somos para podermos ajudar outras pessoas como nós”, afirmou, acrescentando: “ao mesmo tempo o sacerdócio é um mistério. Porque é que sou sacerdote? Muitas vezes me deparo diante desta interrogação e não encontro justificação”.

O corpo do sacerdote estará ainda hoje, por volta das 19h, em câmara ardente na igreja de São Lourenço de Almancil e o seu funeral será presidido pelo bispo do Algarve na próxima segunda-feira (25 de junho), pelas 11h, na igreja matriz de Olhão, para onde seguirá o féretro amanhã à tarde. O cónego Gilberto Soares Santos será sepultado em Olhão, no cemitério antigo.

Samuel Mendonça
Pub