Pub

Uma das razões para o esperado aumento é a retoma de alguns dos principais mercados emissores de turistas para a região, como o Reino Unido, a Holanda e a Irlanda, disse à Lusa o presidente da maior associação hoteleira da região.

Contudo, de acordo com Elidérico Viegas, este aumento na ocupação não terá um reflexo direto no aumento das receitas, uma vez que os preços praticados pelos hotéis estão cada vez mais baixos, para atrair os turistas.

O presidente da Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) sublinha ainda que o mercado interno e espanhol vão continuar a descer, quebra que será compensada pelo aumento das estadias por parte de turistas estrangeiros.

Segundo Reinaldo Teixeira, empresário no setor imobiliário e de alojamento, apesar de se notar um decréscimo no tempo de estadia dos portugueses, estes deverão vir com maior frequência ao Algarve e menos para o estrangeiro.

O administrador da Garvetur afirma que as reservas para o verão estão a correr bem, muito em parte devido à criatividade dos empresários, que estão a lançar promoções em pacotes turísticos com várias áreas de oferta e não só alojamento.

O empresário acredita, ainda, que é preciso "vender" o Algarve durante todo o ano e não apenas no verão, para encurtar a época baixa, tentando conseguir ocupações mais significativas nos meses com menos afluência.

Os grandes "picos" do turismo algarvio continuam, contudo, a ser o mês de agosto e as épocas festivas, concluiu.

Lusa

Pub