Pub

O terceiro festival de observação de aves, que se realiza até 07 de outubro, é organizado em parceria pelo Turismo do Algarve, Câmara de Vila do Bispo, Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) e pela associação ambientalista Almargem.

Alexandra Lopes, da SPEA, disse à Lusa que estima que a edição deste ano "possa superar os 700 participantes registados em 2011".

"Como o festival decorrerá ao longo de uma semana, mais cinco dias do que no ano passado, estimamos um aumento significativo de participantes, principalmente de portugueses", observou.

"Há uma diminuição dos estrangeiros, nomeadamente dos espanhóis e um acréscimo de portugueses", sublinhou Alexandra Lopes, atribuindo a quebra do mercado espanhol "à conjuntura económica e à cobrança de portagens na Via Infante de Sagres (A22)".

"As portagens são, certamente, uma das causas principais na diminuição do número de participantes espanhóis", destacou.

Ao longo dos oito dias do festival de observação das aves, estão previstas várias iniciativas, entre as quais, saídas de campo, passeios de barco, ações de monitorização de aves com especialistas, palestras temáticas, cursos, jogos, tertúlias e atividades de educação ambiental.

Para acolher o evento, um dos nichos de turismo em crescimento no Algarve, os agentes locais aliaram-se à organização, com preços especiais no alojamento, restauração e animação turística.

Alexandra Lopes considera que "começa a existir uma visão do birdwatching no Algarve, como forma de cativar cada vez mais adeptos em várias partes do Mundo, assumindo-se como um complemento ao turismo tradicional".

No festival de Sagres têm participado "birdwatchers" oriundos da Suécia, Grã-Bretanha, Alemanha, Bélgica, Holanda, Espanha e até dos Estados Unidos da América.

Entre agosto e novembro, a Península de Sagres é uma das zonas mais importantes da Europa, para observar o processo migratório outonal de aves planadoras, entre as quais algumas espécies únicas.

"Nesta altura, Sagres é o principal corredor migratório do país para cegonhas, águias, abutres, gaviões e falcões, sendo também possível observar espécies de aves planadoras, bem como algumas raridades", concluiu.

Lusa

Pub