Pub

O responsável da Associação de Defesa do Ambiente e do Património Cultural de São Brás de Alportel indicou que “uma parte significativa das manchas que arderam correspondiam a manchas de sobreiral, não só de São Brás, mas também na fronteira com o concelho de Tavira”, afirmou o responsável da Associação de Defesa do Ambiente e do Património Cultural de São Brás de Alportel.

A contabilização no concelho de São Brás ainda não é possível porque o “incêndio está a progredir infelizmente tão rapidamente, não há forma de manter uma atualização”.

Além do aspeto financeiro do incêndio em zona de sobreiro, Gonçalo Gomes lembrou as consequências sociais e ecológicas.

“Para muitas das pessoas, esta é a vida delas. Na prática é o sustento deles. A seguir a este drama imediato do incêndio e dos riscos para a vida das pessoas, segue-se o drama ecológico e depois o drama social”, analisou.

A exploração da cortiça é o “alicerce da economia da parte serrana do concelho de São Brás”.

O incêndio de hoje evoca memórias de 2004, quando um fogo semelhante progrediu desde Almodôvar até ao Algarve e “entrou diretamente no concelho de São Brás de Alportel”.

“Neste caso o fogo está a entrar no quadrante Nordeste do concelho e o de 2004 foi no quadrante Noroeste. Complementarmente, os dois massacram completamente a zona de serra do concelho de São Brás”, disse.

Depois das chamas, os processos de regeneração ao nível dos sobreiros “são muito lentos”, uma vez que a produção em pleno necessita de operações de manutenção.

“Na altura, por falta de recursos das pessoas, às vezes por alguma inércia das entidades, a manutenção não foi feita e o processo de regeneração atrasou ainda mais”, notou.

Com o incêndio a entrar agora numa área “saudável e a produzir é um drama tremendo para o concelho”, acrescentou.

São Brás de Alportel é conhecido como um dos concelhos com a produção de cortiça de maior qualidade do país, saindo das cascas dos seus sobreiros produtos de referência do design português, como carteiras, cintos, chapéus ou outras peças.

Lusa

Pub