Pub

Forte_meia_praiaO Forte da Meia Praia, em Lagos, cuja construção remonta ao século XVII, foi classificado pelo Governo como monumento de interesse público, de acordo com uma portaria publicada hoje em Diário da República.

O Forte de São Roque, ou da Meia Praia, constituiu uma das fortificações complementares de defesa da costa algarvia, a par de muitos outros fortes implantados ao longo de toda a linha marítima do Algarve.

Construído em 1674, o forte foi entregue à Câmara de Lagos em 1873, que o cedeu gratuitamente à Alfândega, tendo funcionado até meados da década de 90 do século passado como posto da antiga Guarda Fiscal.

Parcialmente reconstruído após os danos provocados pelo terramoto, seguido de maremoto, de 1755, o Forte da Meia Praia desempenhou, até à Guerra Civil entre liberais e absolutistas, um importante papel na defesa da baía de Lagos, tendo sido desartilhado e desguarnecido após a Convenção de Évora Monte, de 1834.

Segundo a portaria, a classificação do Forte da Meia Praia cumpre os critérios constantes na lei relativos ao caráter matricial do bem, ao seu interesse como testemunho notável de vivências ou factos históricos e ao seu valor estético, entre outros.

A Câmara de Lagos, através da Assembleia Municipal, pediu ao Governo, por duas vezes, em 2004 e em 2007, que o forte da Meia Praia retornasse ao domínio municipal, mas as propostas foram recusadas.

A autarquia argumentou que queria recuperar o forte para travar a degradação e abandono do monumento, reabilitando-o e colocando-o ao serviço da comunidade.

Pub