Pub

“Tendo a eficiência energética como uma das grandes preocupações, apoiamos a conceção e desenvolvimento de soluções eficientes para os clientes”, disse Ferreira de Oliveira durante a inauguração da central fotovoltaica instalada no complexo do Autódromo Internacional do Algarve (AIA), em Portimão.

Segundo Ferreira de Oliveira, a redução de CO2 em 13,8 gigatoneladas até 20130, “é um trabalho de gigante, e a Galp está empenhada em dar o seu contributo através da mobilização de fontes energéticas capazes de promover a redução da intensidade de emissão de gases de efeito estufa”.

O presidente da Galp Energia apontou a parceira estabelecida com o Autódromo Internacional do Algarve e com a Efacec como exemplo de ”um projeto integrado de eficiência energética, desenvolvido especificamente para satisfazer as necessidades do complexo desportivo e imobiliário”.

“A central fotovoltaica torna esta infraestrutura como uma referência mundial em matéria de eficiência energética”, observou.

Segundo o responsável, a produção da central fotovoltaica representa uma redução de emissões de CO2 “equivalente a 500 000 quilómetros percorridos por um veículo convencional”.

Ferreira de Oliveira disse ainda que o projeto do AIA englobou a Efacec como parceira, mas sublinhou que a Galp está aberta a propostas de outras empresas, porque “estes projetos não se fazem” com exclusividade de parceiros.

“Temos as melhores relações com a Efacec, mas não é um parceiro exclusivo”, explicou.

A Efacec foi uma das primeiras empresas mundiais a ter os carregadores rápidos para veículos elétricos certificados pela Associação CHAdeMO, com sede no Japão.

A central fotovoltaica do Autódromo Internacional do Algarve é composta por 504 painéis solares, e representou um investimento de 750 mil euros.

Com uma potência instalada de 100 Kilowatts (KW), proporciona uma produção anual de energia elétrica de 157 000 KWh, e uma redução de 74 toneladas/ano em emissões de gases de efeito de estufa para a atmosfera.

Em funcionamento desde janeiro passado, a central é explorada pela Galp Energia, que estima em dez anos o retorno do investimento.

O Autódromo Internacional do Algarve passará a ter a “posse plena” da central num prazo de 15 anos.

Lusa

Pub