Pub

O hino oficial da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, intitulado “Há Pressa no Ar”, foi apresentado às 11h desta quarta-feira, 27 de janeiro.

A canção, inspirada no tema da JMJ Lisboa 2023 [«Maria levantou-se e partiu apressadamente» (Lc1,39)], desenvolve-se em torno do ‘sim’ de Maria e da sua pressa para ir ao encontro da prima Isabel, como relata a passagem bíblica.

“Há Pressa no Ar” tem letra do padre João Paulo Vaz e música de Pedro Ferreira, professor e músico, ambos da diocese de Coimbra. Os arranjos são do músico Carlos Garcia.

O tema foi gravado, em duas versões: em português e na versão internacional em cinco idiomas (português, inglês, espanhol, francês e italiano).

Ao cantar este hino, os jovens de todo o mundo são convidados a identificarem-se com Maria, dispondo-se ao serviço, à missão e à transformação do mundo. A letra evoca também a festa da JMJ e a alegria centrada na relação com Deus.

A canção oficial da JMJ Lisboa 2023 foi escolhida em concurso nacional, aberto à participação de portugueses maiores de idade. O Comité Organizador Local (COL) recebeu mais de uma centena de candidaturas, que foram analisadas por um júri composto por profissionais das áreas da música e das artes.

Como requisitos principais para a participação na competição foi pedido aos participantes que o hino oficial se inspirasse no lema da JMJ 2023, definido pelo Papa Francisco; nos objetivos da JMJ, entre os quais sobressai o da evangelização; e na cultura portuguesa.

Os autores do hino: Padre João Paulo Vaz (E), autor da letra, e Pedro Ferreira (D), autor da música, ambos da Diocese de Coimbra

A melodia nasceu primeiro do que a letra, contam os autores. Pedro Ferreira, de 41 anos, compôs, numa “pequena sala, sozinho ao piano”, uma melodia “pensada para congregar, unir uma comunidade”.

Com outros amigos da Banda da Paróquia, grupo musical que integra, pediu ao padre João Paulo Vaz para escrever a letra. “Não alterando em nada a melodia, e com a guitarra na mão, fui escrevendo, como costumo fazer”, recorda o sacerdote, de 51 anos.

“O tema da edição de Lisboa [‘Maria levantou-se a partiu apressadamente’ (Lc 1, 39)] levou-me a rever a minha relação com a Mãe e, portanto, o processo criativo da letra tornou-se um tempo de oração muito profundo para mim”, partilha João Paulo Vaz.

Quando ao estilo, foi solicitada no concurso “uma música popular, alegre, juvenil, fácil de aprender e de fácil tradução e adaptação”. “Ao ouvir o tema, o Carlos acaba por se apropriar da melodia e num trabalho notável – não lhe mexe na estrutura, na forma – enriquece-a de uma forma única”, sublinha sobre os arranjos de Carlos Garcia, o autor na melodia, Pedro Ferreira que, foi fundador da banda portuguesa ‘Anaquim’, entre outros projetos musicais.


Clique para descarregar a partiturahttps://folhadodomingo.pt/wp-content/uploads/sites/4/2021/01/Ha-Pressa-no-Ar_-PT.pdf

As JMJ nasceram por iniciativa do Papa João Paulo II, após o sucesso do encontro promovido em 1985, em Roma, no Ano Internacional da Juventude.

A JMJ realiza-se, anualmente, a nível local (diocesano), alternando com um encontro internacional a cada dois ou três anos, numa grande cidade.

As edições internacionais destas jornadas promovidas pela Igreja Católica são um acontecimento religioso e cultural que reúne centenas de milhares de jovens de todo o mundo, durante cerca de uma semana.

A Igreja algarvia tem marcado presença ao longo da história das JMJ. Participou na primeira em 1986 em Roma com dois autocarros com cerca de cem participantes e voltou a participar em 1989, em Santiago de Compostela, com 50 jovens. A presença algarvia repetiu-se em Paris com 150 elementos, em Roma com 400 elementos, em Colónia com 113 elementos, em Sidney com 13 elementos, em Madrid com 232 elementos, no Rio de Janeiro com 39 elementos, em Cracóvia com 104 elementos e no Panamá com 28 elementos.

Pub