Inicio | Igreja | Igreja algarvia despediu-se do pe. Manuel Rufino da Silva

Igreja algarvia despediu-se do pe. Manuel Rufino da Silva

Na celebração das exéquias, presidida pelo bispo do Algarve na igreja matriz de São Pedro, em Faro, D. Manuel Quintas agradeceu a Deus pelo “dom da vida” concedida ao sacerdote, pelo “dom do sacerdócio” e pelo “dom do seu ministério” à Igreja algarvia, ao longo de quase 50 anos.

“Queremos dar graças a Deus pela sua vida, pelo seu ministério e pelo testemunho da sua fidelidade a Cristo e ao seu sacerdócio; pela serenidade com que acolheu, viveu e testemunhou esta doença que via também como indicativo de Deus”, afirmou o bispo diocesano na celebração participada por 23 sacerdotes, vindos um pouco de todo o Algarve.

D. Manuel Quintas partilhou o “testemunho de serenidade” do sacerdote falecido perante a certeza da morte, “próprio de quem vive a sua vida com fé, iluminada pela esperança e fez dela um hino de amor e de louvor a Deus”. “«Senhor bispo, todos sabemos que vamos morrer mas não sabemos como, nem quando. Eu já sei do que vou morrer e qual a doença que me conduz a esse dia que só Deus sabe». Disse-me isto com muita serenidade e muita paz que conservou até ao fim”, recordou o prelado, sublinhando a lucidez do padre Manuel Rufino “de que caminhava para realizar, desta maneira, a vontade de Deus”.

O bispo do Algarve lembrou que o sacerdote “recebeu de Deus o dom de celebrar a Eucaristia, e dela se alimentar e distribuir ao povo de Deus”. “Certamente que esta oração de sufrágio pela sua alma inclui este louvor de ação de graças a Deus pelo dom da sua vida, pelo dom da sua presença nesta nossa diocese, pelo dom do seu serviço e ministério”, afirmou D. Manuel Quintas, pedindo também a Deus que a vida do presbítero falecido “seja semente de vocações de consagração na Igreja”, concretamente na Igreja algarvia.

Constatando a numerosa participação de cristãos algarvios, o bispo do Algarve considerou aquela presença “expressão de comunhão eclesial e de apreço” pelos sacerdotes algarvios e de gratidão pelo ministério do padre falecido, exercido ao serviço da Igreja algarvia.

D. Manuel Quintas deixou a sua “bênção sacerdotal e um muito obrigado” a todos quantos, com amor, cuidaram do “bem-estar espiritual e corporal” do sacerdote falecido, que após a celebração, foi sepultado em Faro, no talhão do clero do Cemitério da Esperança.

O bispo do Algarve tinha-se regozijado no passado dia 11 deste mês com a participação do sacerdote falecido na Eucaristia a que presidiu no Carmelo de Faro, na qual realizou a sua promessa um membro do Carmelo Missionário Secular, aquela que viria a ser a sua última aparição em público.

O mais novo de três irmãos, duas religiosas e um sacerdote, agora todos falecidos, o padre Manuel Rufino da Silva era natural de São João da Vila Boa, no concelho de Barcelos. No Algarve foi coadjutor paroquial de Olhão durante quatro anos e pároco de São Marcos de Serra durante 30 anos, de Alte durante quatro anos e de Querença durante um ano. Nos últimos anos colaborou ainda na paróquia de São Pedro de Faro.

Samuel Mendonça

Verifique também

Seminário de Faro conta este ano com dois seminaristas da Arquidiocese de Évora

O Seminário de São José de Faro, instituição dedicada à formação dos futuros sacerdotes da …

Folha do Domingo

GRÁTIS
BAIXAR