Pub

A Paróquia da Nossa Senhora do Amparo, as paróquias de Tavira, a Ordem Terceira do Monte do Carmo de Faro, e o Seminário de Faro, foram alguns a que a FOLHA DO DOMINGO teve acesso.

Todas estas entidades e instituições têm como objectivo fazer passar a mensagem e chegar mais facilmente às pessoas, sobretudo aos mais jovens uma vez que a internet “é utilizada regularmente por eles”, permitindo que esta seja divulgada “por um meio rápido e simples”, afirma o webmaster da Paróquia de Nossa Senhora do Amparo de Portimão (www.paroquiaamp.co.cc), José Carlos Reis.

Já no sítio da comunidade paroquial de Tavira (www.paroquiastavira.diocese-algarve.pt) o visitante pode “enviar pedidos de informação, sugestões, reclamações através de caixa de correio electrónico” e aceder aos eventos relacionados com as actividades das paróquias” e aos “diversos movimentos, sectores da pastoral e comunidade”. Este sítio também disponibiliza “artigos, documentos, leituras e reflexões de interesse”, para além de “traçar um retrato da paróquia em questão” acrescentou, à FOLHA DO DOMINGO, Ana Reis José, membro responsável pelo site, em conjunto com o padre Dinis Faísca, o padre Flávio Martins e Luís Rodrigues.

O mais recente endereço a ser criado pertence à Ordem Terceira do Monte do Carmo de Faro (www.ordemdocarmo-faro.org) e pretende “transmitir uma mensagem de fraternidade, contemplação e serviço no seguimento de Jesus Cristo, inspirado pela bem-aventurada Virgem Maria”, afirma Álvaro Encarnação. Esta comunidade criou este meio de comunicação destinado aos “irmãos carmelitas, aos que têm devoção por Nossa Senhora e a todos os que se sintam atraídos pela protecção maternal de Maria”, dando “a conhecer aos visitantes o que é a Ordem”, como funciona e qual a sua história e actividade.

Por último, o blogue do Seminário de Faro (www.porquenaotu.blogspot.com), coordenado pelo padre Pedro Manuel, tem como destinatários “rapazes em descoberta vocacional”, apontando como vantagem para esta entrada na blogosfera ser o que “a grande maioria activa da nossa sociedade hoje em dia utiliza”.

Apesar de todas as possibilidades que as novas tecnologias apresentam, Ana Reis José, aponta como desvantagem a possível redução do “contacto directo com o pároco e com a comunidade em geral”, José Carlos Reis alerta para o facto de “nada substituir a presença do cristão na Eucaristia, a caridade para com os pobres e os desprotegidos” e o padre Pedro Manuel afirma que não podemos esquecer “quem ainda não as usa, reduzindo a nossa presença a este novo espaço”.

Lúcia Costa

Pub