Pub

Cartaz
Cartaz

A Igreja Católica algarvia prepara-se para iniciar o quinto e último ano do Programa Pastoral projetado de 2012 a 2017, que em 2016/2017 se inspira no exemplo de Maria.

Depois de “chamados à fé” (2012/2013), de “chamados ao amor” (2013/2014), de “chamados à santidade” (2014/2015) e de “chamados à vida” (2015/2016), os católicos algarvios são agora “Chamados, com Maria, a ser discípulos e testemunhas do Evangelho da Alegria e do Amor”, apelo do ano pastoral 2016/2017 que terá como lema “«ide e anunciai o Evangelho» (cf Mc 10, 15) – na comunhão eclesial, testemunhar Cristo vivo”.

O novo ano pastoral será marcado pelo Centenário das Aparições de Fátima e será apoiado pelas propostas do santuário mariano em ordem a essa celebração, embora “sem descurar as propostas gerais operativas” que vêm desde 2012/2013, bem como “as resultantes do estudo alargado e participado sobre a exortação apostólica do papa Francisco ‘Evangelii Gaudium’ (A Alegria do Evangelho), dos “apelos que a visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima” deixou em 2015 e da “envolvência do Ano da Misericórdia em curso”.

Não obstante este contexto, a diocese apresenta diversas sugestões de ação pastoral.

A nível diocesano, as propostas incluem a promoção de formação a realizar através do CEFLA – Centro de Estudos e Formação de Leigos do Algarve, continuada “a todos os níveis” para agentes de pastoral (recorde-se que esta formação foi iniciada no ano passado), nomeadamente no serviço de “moderadores de celebrações dominicais e no serviço de “exéquias na ausência de presbítero”, e a iniciar, concretamente, para agentes da pastoral familiar, segundo as propostas da exortação apostólica pós-sinodal ‘Amoris laetitia’ (A Alegria do Amor) do papa Francisco.

O programa propõe ainda que se institua o Centro Diocesano do Catecumenado de Adultos com vista a “estruturar e coordenar a formação para os sacramentos da iniciação cristã, apoiando as paróquias/vigararias [grupos de paróquias]” e a “organizar uma celebração diocesana dos ritos de admissão ao catecumenado e da eleição ao batismo”.

Pede-se ainda que se continue a “investir na formação dos catequistas, para que possam transmitir não só as «verdades da fé», como também proporcionar o encontro pessoal com Cristo, para que Ele se torne o centro e o ideal de vida dos catequizandos”; “a partilha do testemunho de vida cristã do catequista, expressão da vida da comunidade cristã: o «livro de catequese» por excelência”; “espaços de verdadeira experiência de comunidade, família, oração, prática sociocaritativa e compromisso missionário” e “o envolvimento das famílias na catequese dos filhos de modo a ser assumida, não como atividade extracurricular, mas como experiência de vida e de comunhão com Deus e com a comunidade cristã, fundamental para a maturidade da fé”.

A nível diocesano, o documento programático exorta também a “promover um conhecimento mais aprofundado sobre a «espiritualidade de Fátima», de forma a entender “Maria no mistério de Cristo e da Igreja”, a perceber a “especificidade da mensagem de Fátima” e a “purificar/fundamentar a devoção e o culto mariano (tendo em conta que 43 das 81 paróquias do Algarve são «marianas» [têm Nossa Senhora como padroeira]” e a “organizar uma peregrinação diocesana ao santuário da Mãe Soberana”.

Pede-se ainda que se promova a “celebração do Dia da Igreja Diocesana (03 de junho de 2017) como convergência do caminho percorrido”.

A nível de vigararia é pedido que se promova “espaços de formação e encontro, na etapa pós-crisma, respeitantes ao namoro, no âmbito do discernimento vocacional (família e consagração religiosa)” e “ações missionárias a partir das paróquias, numa envolvência de testemunho, permuta e partilha, valorizando ações nas periferias e iniciativas de voluntariado”.

No âmbito paroquial é pedido que se promova a “a constituição e funcionamento dos Conselhos Pastorais Paroquiais, valorizando a ação própria dos leigos, no que lhes é específico”, que se valorize e integre o “contributo dos Movimentos nas diversas ações da pastoral paroquial” e que se privilegie a “pedagogia do ano litúrgico na edificação de comunidades vivas e missionárias”.

Pede-se ainda que se faça do próximo mês de outubro “um mês especialmente dedicado às famílias, em ordem à sua integração mais plena na vida paroquial”, tendo em conta a valorização da “integração da família na catequese dos filhos”, a promoção da “celebração jubilar das famílias (visita familiar ao batistério, renovação familiar das promessas batismais)” e a realização de uma “celebração paroquial expressiva do caminho percorrido, no último domingo de outubro (dia 30)”.

A nível paroquial é ainda proposto que se crie “um serviço paroquial para acompanhamento dos jovens casais, de modo estruturado e estável”, “dos casais em dificuldade, inclusive após rutura e divórcio”, que se dê realce a “celebrações familiares” como “bênção das grávidas, crianças, idosos e aniversários matrimoniais”, que se desenvolva e colabore em “iniciativas de interajuda, perante as bolsas de pobreza existentes nas paróquias”, que se continue a “promover iniciativas paroquiais de sensibilização, oração e empenho no âmbito do chamamento ao ministério ordenado e à vida consagrada, em conjugação com a pastoral juvenil, vocacional e o pré-seminário, através de grupos paroquiais de apoio e acompanhamento vocacional, de encontros da catequese, grupos de jovens, acólitos, movimentos juvenis e famílias e de testemunhos de consagração a Deus no ministério ordenado e na vida consagrada (religiosa ou secular)”.

O programa pede ainda que se estabeleça a “obrigatoriedade de um retiro para todos os jovens crismandos”.

O Programa Pastoral da Diocese do Algarve para 2016/2017 será apresentado e lançado no próximo dia 1 de outubro, na Assembleia Diocesana.

Irmã Ângela Coelho
Irmã Ângela Coelho

A jornada realizar-se-á a partir das 9h no Centro Pastoral de Pêra, conforme o programa abaixo, com destaque para a apresentação da conferência “Fátima, janela de esperança para o mundo de hoje”, apresentada pela irmã Ângela Coelho, vice-postuladora da causa de canonização da irmã Lúcia.

Além do clero, o encontro destina-se a representantes das paróquias, enviados pelos respetivos párocos, comunidades religiosas (a totalidade dos seus membros), todos os membros do Conselho Pastoral da Diocese do Algarve; responsáveis e equipas dos vários departamentos, secretariados e sectores dos Serviços Diocesanos de Pastoral e representantes de todos os movimentos e obras laicais.

Assembleia Diocesana

1 de outubro de 2016 – Centro Pastoral de Pêra

09h00 – Acolhimento

09h45 – Oração

10h00 – Saudação do bispo diocesano

10h15 – Conferência: “Fátima, janela de esperança para o mundo de hoje”, irmã Ângela Coelho (ASM)

11h00 – Intervalo

11h15 – Tempo de diálogo

12h00 – Deslocação para a igreja matriz de Pêra

12h15 – Eucaristia

13h30 – Almoço (Centro Pastoral de Pêra)

15h00 – Apresentação do Programa Pastoral 2016-2017

16h30 – Oração conclusiva

Pub