Pub

Sendo encarada como uma das iniciativas mais significativas das que a Igreja algarvia realiza no decurso de cada ano pastoral, o Lausperene – oração permanente ao Santíssimo Sacramento (hóstia que, depois de consagrada, passa a ser o corpo de Cristo) – volta assim a realizar-se, uma vez mais, a realizar-se até ao dia 16 deste mês, decorrendo no âmbito da Semana Nacional dos Seminários (11 a 18 de novembro).

Na eucaristia de ontem de início do Lausperene, o bispo do Algarve pediu que se possa fazer deste um tempo de “intensa oração” e que ninguém das paróquias algarvias “se dispense de participar intensamente” nesta iniciativa, promovida pela equipa formadora do Seminário de Faro, porque ela “diz respeito a todos”. “Não é apenas tarefa minha, como bispo, mas da Igreja toda, incluindo famílias, catequistas, entre outros”, explicou o prelado, perante uma numerosa assembleia, constituída por muitas crianças e jovens, incluindo seminaristas algarvios.

Dirigindo-se aos jovens, D. Manuel Quintas começou por explicar-lhes o sentido daquela iniciativa, apelando ao seu compromisso com a vocação sacerdotal. “Todas as paróquias são convidadas a rezar a Jesus na Eucaristia para que alguns de vós venham a ser padres. E Ele chama! Nós, às vezes, é que andamos com o «telemóvel desligado» quando Ele nos «telefona». Não tenhais medo de ser chamados por Jesus. E vós, pais, não tenhais medo se Ele chamar alguém da vossa casa”, afirmou.

O bispo diocesano lembrou que a Igreja algarvia “precisa de gente consagrada, que aceite o convite que Jesus faz”. “O Senhor, nos dias de hoje, continua a chamar apóstolos e gente para ser sinal da sua presença no meio do seu povo”, sustentou, lembrando que “sem sacerdotes, não há eucaristia”. “Que o facto de iniciarmos aqui, na vossa paróquia, este louvor [laus] contínuo [perene] a Cristo na eucaristia, possa sensibilizar-vos ainda mais e motivar-vos a todos para fazer destas duas semanas um tempo de intensa oração”, pediu.

D. Manuel Quintas lembrou ainda que os padres são modelos que devem influenciar a seguir a mesma vocação. “Aqueles que já receberam este dom devem ser os primeiros a contagiar pela fé, pela adesão a Cristo e pelo entusiasmo pelo evangelho a provocar outros para que deem a mesma resposta”, afirmou o prelado, exortando os católicos algarvios a “pedir também o dom da fidelidade daqueles que o Senhor já chamou” e a acompanhar os três algarvios que se vão ordenar no próximo mês de dezembro, para “que este mês seja particularmente fecundo para eles, no sentido da sua doação plena, total e incondicional a Cristo”.

D. Manuel Quintas lembrou ainda que o Seminário funcionou em São Brás de Alportel há100 anos, aquando da proibição da República do funcionamento daquela instituição.

A celebração prosseguiu com a admissão de Nuno Coelho, futuro diácono, às ordens sacras. Aquele rito significa para o próprio admitido e para a Igreja que ambos reconhecem a autenticidade do caminho vocacional percorrido.

Assegurado pelas paróquias que constituem as quatro vigararias, pelas comunidades, congregações, grupos e movimentos católicos da diocese algarvia, segundo o programa anunciado, o Lausperene terminará no dia 16 com uma vigília na igreja de Albufeira, pelas 21h, aberta novamente a toda a Igreja algarvia, mas particularmente dirigida às vigararias do barlavento: Loulé e Portimão.

Samuel Mendonça

Pub