Pub

D. Manuel Madureira Dias, reconhecido também na Igreja portuguesa pelas suas qualidades como pastoralista, secundou o Cardeal Patriarca de Lisboa, D. José Policarpo, na liderança da iniciativa intitulada precisamente “Repensar a Pastoral da Igreja em Portugal”, enquanto o padre Carlos de Aquino foi membro da restrita equipa de três elementos (do Norte, Centro e Sul) que, juntamente com o padre Manuel Morujão, porta-voz da CEP, coordenou a assembleia constituída por 40 representantes das dioceses e congregações religiosas da qual fez parte o cónego José Pedro Martins.

Na última assembleia plenária extraordinária da CEP foi apresentado o instrumento de trabalho para os próximos anos resultante da reflexão daquele grupo que pretende envolver num caminho sinodal os múltiplos agentes pastorais.

De Junho deste ano a Março de 2011 far-se-á o trabalho de discernimento pastoral e na assembleia plenária de Novembro de 2011 da CEP define-se as orientações pastorais comuns para a Igreja em Portugal e “três anos depois (2014), pelos meios julgados oportunos, a CEP avaliará o caminho pastoral feito e os seus frutos, e, se assim o entender, definirá a sua continuidade”, realça o documento.

Entretanto, na Diocese do Algarve, na última assembleia plenária do Conselho Diocesano de Pastoral, em Maio último, a questão foi já aflorada, dando a conhecer aos conselheiros os trabalhos realizados até aqui, e, na próxima assembleia plenária de Novembro, aquele órgão consultivo da diocese irá então reflectir com maior detalhe sobre o tema.

Também as paróquias algarvias já tomaram contacto com a iniciativa e vão, a partir de agora, reflectir sobre as seis perguntas que estão em cima da mesa e que se dividem em dois grupos.

Redacção com Ecclesia

Pub