Pub

A iniciativa foi promovida pelo Secretariado da Catequese da Diocese do Algarve sob o tema “Catequese Familiar – Desafio para a Iniciação Cristã”.

Após a oração da manhã, os participantes, oriundos das paróquias de Albufeira, Almancil, Alte, Bensafrim, Cacela, Castro Marim, Conceição de Faro, Estoi, Ferreiras, Fuseta, Luz de Tavira, Matriz de Portimão, Mexilhoeira Grande, Monte Gordo, Olhão, Quarteira, Santa Maria e São Tiago de Tavira, Santo Estêvão e São Bartolomeu de Messines, São Brás de Alportel, São Clemente de Loulé, São Luís de Faro, São Pedro e Sé de Faro, Silves, Tavira e Vila Real de Santo António, assistiram à apresentação do padre Vasco da Cruz Gonçalves, da diocese de Viana do Castelo, de um novo modelo de catequese.

Após um período de esclarecimento de dúvidas e interpelações, o bispo do Algarve exortou os catequistas a serem “flor de sal”. “No Algarve, os catequistas não se podem contentar em ser sal, têm de ser flor de sal. Como cristãos somos chamados a ser sal, como catequistas temos de ser um bocadinho mais”, sustentou D. Manuel Quintas, sublinhando a importância de “temperar e dar sabor à vida e ao mundo”.

O prelado manifestou ainda a gratidão e reconhecimento da Igreja algarvia “por cada um” daqueles seus agentes. “Sois importantes, ocupais um lugar muito especial, não só no coração do bispo, mas dos padres”, afirmou, referindo-se ao significado da atribuição de diplomas aos catequistas que completaram 25 anos de serviço, gesto que teve lugar na eucaristia de encerramento daquela atividade. “São apenas um símbolo do dom que Deus apresenta em cada um de vós e da gratidão que encontrais em Deus pelo vosso serviço, privando-vos de tantas coisas, inclusivamente até da vossa vida familiar”, referiu, salientando apreciar a “generosidade e dedicação” dos catequistas nas paróquias.

Por fim deixou-lhes uma “palavra de confiança”, apelando a que todos se sintam “reenviados por Deus na pessoa de Cristo” e com coragem. “Sempre que alguém anuncia uma boa nova tem de fazê-lo com alegria e não com medo. Gostaria que cada um se sentisse reenviado à sua família, trabalho e ambiente”, complementou.

Seguiu-se então o almoço partilhado e a jornada teve continuidade, à tarde, com o concerto do grupo ‘Brotes de Olivo’, da vizinha diocese espanhola de Huelva. Pela quarta vez no Algarve, o coletivo familiar, nascido em 1973 da consciência da necessidade de evangelizar através da música, interpretou em ambiente intimista e de oração temas dos seus 26 álbuns, como “Nada nos separará”, “En mi debilidade” ou “En el mismo barco”.

O dia encerrou com a eucaristia que teve lugar na igreja de São Tiago, na qual a Igreja do Algarve homenageou ontem os seus catequistas com 25 anos de serviço. Embora muitos estivessem ausentes foram 11 os que, oriundos das paróquias de Almancil, Bensafrim, Lagos, Luz de Tavira, Quarteira, São Luís e São Pedro de Faro receberam o diploma de distinção das mãos do padre Flávio Martins, diretor do Secretariado da Catequese da Diocese do Algarve e pároco local, que presidiu à celebração. Foram ainda entregues os certificados aos catequistas que concluíram os cursos de formação.

Samuel Mendonça

Pub