Inicio | Igreja | Igreja do Algarve rezou pela ordenação sacerdotal do diácono Tiago Veríssimo

Igreja do Algarve rezou pela ordenação sacerdotal do diácono Tiago Veríssimo

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A capela do Imaculado Coração de Maria, anexa à sede das Missionárias da Caridade (conhecidas como irmãs Teresa de Calcutá), em Faro, recebeu ontem à noite uma vigília de oração pela ordenação sacerdotal do diácono Tiago Veríssimo.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O futuro sacerdote, de 30 anos e natural de Aljezur, propôs que a celebração ocorresse naquele lugar. “Esta capela diz muito à minha vida e também àquilo que foi o processo de descoberta da vocação, daquilo que Deus me pede e ao que é que Ele me chama. Foi nesta capela, há uns anos atrás, que me fizeram uma pergunta que ainda hoje a tenho muito gravada na memória: porque é que tu queres ser padre?”, explicou.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“É por amor, é por amor que uma pessoa se entrega a Deus. E, no fundo, a vocação, seja ela qual for, é uma questão de amor, de amor a Deus”, respondeu o diácono, acrescentando que “àquele que se entrega por amor, Deus não tira nada, dá tudo”. “Ao longo destes anos todos verifico que quanto mais me dou, mais Deus me dá”, assegurou.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“Ainda que possamos pensar que não temos capacidades intelectuais ou espirituais, a vocação não se prende com isso. Deus capacita aqueles que chama. Deus deu-me sempre aquela perseverança de perceber que aquilo que faço, faço não por mim, mas para Ele. Não faço para mim, para a minha glória, mas para o glorificar a Ele. No fundo, é assim que eu vejo a minha própria vocação e a minha própria vida”, prosseguiu.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

A terminar o curto testemunho que apresentou, o diácono Tiago Veríssimo sintetizou o que espera realizar no exercício do seu ministério. “Desejo que as pessoas tenham presente que Deus as ama e se eu conseguir transmitir isso às pessoas e ser esse sinal do amor de Deus para elas quer dizer que cumpri aquilo a que Deus me chama”, concluiu.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Na celebração, promovida conjuntamente pelo Seminário de São José de Faro, pelo Secretariado da Pastoral Vocacional e pelo Sector da Pastoral Juvenil da Diocese do Algarve, o padre António de Freitas, reitor do Seminário e diretor do Secretariado Diocesano da Pastoral Vocacional, que presidiu à mesma, começou por desejar que o dia da ordenação do futuro sacerdote possa ser vivido por todos “com alegria, mas, sobretudo, com uma grande atitude de agradecimento e de louvor a Deus por aquilo que vai fazendo em cada instante” pela “Igreja diocesana do Algarve, por cada uma das suas comunidades, por não deixar que faltem os pastores”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

“Mais do que olharmos para o Tiago devemos olhar para Deus e perceber como o Senhor fez, neste homem concreto, tantas coisas boas e certamente, a partir daqui, tantas mais fará”, afirmou o presidente da celebração que contou com a adoração ao Santíssimo Sacramento.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O padre António de Freitas explicou também o sentido daquela iniciativa. “A sabedoria da Igreja convida-nos a estar em vigília, atualizando aquilo que o próprio Senhor Jesus fez com os seus discípulos antes da sua entrega”, justificou. “Com o Senhor queremos estar em oração, onde deixaremos que Jesus, pão da vida, reze connosco ao Pai, pedindo-lhe que guarde o Tiago em seu nome e para que o Tiago possa permanecer fiel na sua vontade”, complementou.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

O sacerdote apontou também o sentido da vocação, lembrando que o futuro padre é chamado, “não para que alcance a sua felicidade”, o seu “sucesso” ou “para que se realize”, mas para algo que disse ter tanto de “belo” e “simples”, como de “exigente”: “para que o Tiago, em nome de Deus, se entregue em favor do povo que será sempre do Senhor”. “É esta a beleza também da entrega da nossa vida, quando o fazemos, não para nosso benefício pessoal, quando temos a consciência de o fazer, não para as nossas honras, os nossos sucessos, as nossas vaidades”, completou, lembrando que “a felicidade não é uma conquista”, mas “um dom”.

O sacerdote considerou assim que “a vida do Tiago foi criada e pensada desde sempre, sonhada por Deus, para bem da humanidade, para bem do seu povo, para que no seu tempo de peregrino sobre a terra, o Senhor se possa manifestar aos corações de tantos e tantas”. “É para isto que a tua vida existe, Tiago. E estou certo que, se tiveres presente sempre isto, serás um homem feliz. E estou certo que cumprirás a vontade de Deus. É somente isto que o Senhor te pede: que lhe ofereças em liberdade a tua vida para seres um instrumento do seu amor, não em favor de ti ou deste ou daquele de modo especial, mas em favor do seu povo, qualquer que seja ele que o Senhor coloque diante da tua vida. Confia”, apelou, exortando o futuro sacerdote a pedir a Deus que lhe dê “um coração puro, bom e renovado” e a colocar o interesse da sua vontade e do seu povo à frente do seu “interesse e felicidade pessoal”.

Foto © Samuel Mendonça/Folha do Domingo

Aos vários jovens presentes, o padre António de Freitas lançou uma pergunta: “porque é que o Senhor me convidou a estar, nesta noite e no domingo, a acompanhar o Tiago?”. “Quererá dizer alguma coisa às vossas vidas”, concluiu, propondo nova interrogação: “E será que a mim, o Senhor não me chama também?”. “O Senhor poderá querer estar a chamar-vos, a dizer que quer precisar de vós para fazer bem ao seu povo, para ajudar esta humanidade a encontrá-lo nas suas vidas, para ajudar os corações dos homens a serem felizes. Escutem a voz do Senhor e não tenham medo. E a melhor forma de não ter medo é deixarmos de pensar em nós”, pediu, lembrando que a Deus “nada é impossível”. “Disponde o vosso coração, sem medo, sem reticências, sem ‘ses’. Dêem a oportunidade a Deus de vos falar ao coração e de fazer de cada uma das vossas vidas um instrumento em favor do seu povo”, exortou.

O diácono Tiago Veríssimo realizou ainda a sua profissão de fé e o juramento de fidelidade no decurso da celebração que também contou com a participação dos padres Vasco Figueirinha, membro também da equipa formadora do Seminário do Algarve, e Nelson Rodrigues, assistente do Sector Diocesano da Pastoral Juvenil.

O futuro sacerdote será amanhã ordenado, pelas 17h, na Sé de Faro.

Verifique também

Bispo do Algarve diz ser “preciso fazer silêncio interior para escutar o clamor dos pobres”

O bispo do Algarve disse ontem que “é preciso fazer silêncio interior para escutar o …