Breves
Inicio | DA | Igreja do Algarve tem um novo padre e um novo diácono

Igreja do Algarve tem um novo padre e um novo diácono

Ordenacoes_jesus_nelson (46)
O padre Jesús Ejocha (E), o bispo do Algarve (C) e o diácono Nelson Rodrigues © Samuel Mendonça

A Diocese do Algarve viveu no sábado um dia particularmente significativo, não só por se celebrar a solenidade dos apóstolos Pedro e Paulo, mas pela ordenação de um novo sacerdote e um novo diácono em caminhada para o sacerdócio.

Na eucaristia na Sé de Faro, completamente cheia de católicos de toda diocese algarvia e não só, o bispo do Algarve lembrou (cfr. homilia em baixo) aos ordinandos que só com “amor” é possível realizar a missão a que são chamados. “Só é possível acolher e exercer este dom através do amor sem reservas a Cristo, presente na consagração da própria vida e traduzido no serviço quotidiano em apascentar o seu povo”, afirmou D. Manuel Quintas.

O prelado lembrou que “não são as criatividades pessoais” nem a “criatividade pastoral, que tornam eficaz e que dão autenticidade ao apascentar”. “Só o amor fundamenta o nosso ministério. Amor a Cristo, amor ao seu povo”, precisou.

“O reconhecimento na fé da gratuidade deste dom, referência permanente do amor a Cristo, e a entrega sem reversas e quotidiana a apascentar o povo que nos é confiado constituem o meio mais eficaz da fidelidade e da fecundidade do nosso ministério pastoral. A eficácia e a fecundidade do nosso ministério não depende do muito que possamos promover e realizar, mas sim da pureza da nossa fé, da intensidade do nosso amor a Cristo, da comunhão com o colégio presbiteral, da gratuidade do nosso serviço à Igreja, presente de tantas formas no nosso ministério, através de uma existência sacerdotal moldada ao estilo de Jesus”, complementou o bispo do Algarve.

D. Manuel Quintas –, que aproveitou a ocasião para destacar a exortação apostólica do Papa Francisco, ‘Evangelii Gaudium’ (A Alegria do Evangelho) –, sublinhou que o sacerdócio não significa superioridade. “O sacerdócio ministerial é um dos meios que Jesus utiliza ao serviço do seu povo, mas a grande dignidade vem do Batismo, que é acessível a todos. A configuração do sacerdote com Cristo Cabeça – isto é, como fonte principal da graça – não comporta uma exaltação que o coloque por cima dos demais. Na Igreja, as funções «não dão justificação à superioridade de uns sobre os outros»”, esclareceu, citando Francisco.

O prelado, que considerou aquele documento um “oportuno programa pessoal e eclesial”, particularmente para os ordinandos, desafiou-os a ajudarem a “assumir e a concretizar” aquele “sonho do Papa Francisco” na Igreja algarvia.

D. Manuel Quintas, considerando que a diocese algarvia ficou “mais colorida, ou seja, mais missionária”, renovou ainda aos jovens presentes o “apelo de sempre”: “abri o vosso coração e a vossa vida a Cristo. Não tenhais medo das suas propostas. Não vos fecheis aos desafios que Ele semeia no vosso coração. Não vos considereis à partida excluídos deste dom. Cristo conta convosco. A nossa Igreja diocesana precisa de vós”.

A todos os presentes pediu que acolham com “alegria e gratidão” os “irmãos escolhidos para o diaconado e presbiterado”. “Acompanhemo-los sempre com a nossa oração, amizade, apoio e, se for preciso, com a nossa correção fraterna”, exortou.

Após a homilia, a celebração prosseguiu com o rito da ordenação do diácono Nelson Rodrigues, natural da Conceição de Faro, e do padre Jesús Ejocha, natural da Guiné Equatorial, constituído por alguns gestos significativos, mas que teve como momento mais importante o da ordenação propriamente dita com a imposição das mãos do bispo diocesano sobre os ordinandos.

Um dos gestos significativos foi a colocação das mãos dos ordinandos nas mãos do bispo, um gesto de comunhão e de unidade, prometendo-lhe obediência e reverência enquanto sucessor dos apóstolos, sinal e garante da unidade da Igreja e desta com a Igreja de Roma.

Os outros momentos de maior emoção aconteceram já depois das ordenações com os recém-ordenados a serem revestidos com as vestes diaconais e sacerdotais, recordando que, antes de mais, se devem continuar a revestir de Cristo.

Ao diácono foi-lhe entregue o livro dos evangelhos que agora, de modo particular, têm a missão de anunciar, mas sobretudo de amar e viver, e, ao sacerdote, foi-lhe entregue a píxide e o cálice.

Igualmente significativos foram os abraços aos restantes diáconos e padres presentes, o serviço ao altar prestado pelo novo diácono e a concelebração eucarística já participada pelo novo padre, a que se associaram os restantes.

O padre Jesús Ejocha, de 33 anos, celebrou ontem a sua Missa Nova na igreja paroquial de Monchique, onde estagiou nos últimos anos.

Verifique também

Há 60 anos falecia em acidente de viação o padre José Gomes da Encarnação

Cumprem-se hoje 60 anos da trágica morte do padre José Gomes da Encarnação, antigo administrador …