Pub

Os turistas do Reino Unido realizaram cerca de 700 mil dormidas na hotelaria do Algarve em outubro, um aumento de 4% face ao mesmo mês do ano anterior, informou na quarta-feira o Turismo do Algarve, citando dados do INE.

Segundo a mesma fonte, estes turistas realizaram uum total de 5,6 milhões de dormidas este ano, mais 2,3% do que em igual período de 2018, reafirmando-se como o principal mercado emissor de turistas para a região.

A hotelaria do destino registou 136 mil hóspedes do Reino Unido em outubro (+7,1%) e acumulou 1,1 milhões de hóspedes (+7%) provenientes desse mercado desde o início do ano, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE).

“É o resultado do reforço das ligações aéreas e da promoção do destino, tanto pelo Turismo do Algarve como pelos hotéis e pelos vários agentes turísticos da região” afirmou o presidente da Região Turística do Algarve (RTA), João Fernandes, à Lusa.

O responsável revelou que o mercado britânico representou, até outubro, 37,7% das dormidas em hotelaria dos turistas estrangeiros no Algarve e que o reforço das ligações aéreas a 25 aeroportos britânicos, com 10 companhias de aviação, deram os seus resultados “com mais 125 mil dormidas” em relação ao ano anterior, até outubro.

O otimismo do presidente da RTA estende-se ao futuro já que considera que as eleições britânicas retiram as dúvidas dos britânicos quanto às condições em que fariam uma viagem para Portugal, tornando o país “mais competitivo”.

O plano de contingência unilateral já existente, que “isenta de vistos” os visitantes britânicos na fase de transição – entre a definição da saída e a sua efetivação – dá garantias aos visitantes que se desloquem com os seus animais de companhia ou que tenham a necessidade de recorrer a assistência médica.

Estes são exemplos dados pelo responsável de que “asseguram tranquilidade” a quem viaja do Reino Unido.

Nas restantes nacionalidades verificou-se uma diversificação com a captação de novos e reforço de mercados emissores que estavam em crescimento.

O aumento dos turistas franceses (+2,2%) revelou um fenómeno que “se iniciou com o aproveitamento do estatuto do residente não habitual” e que hoje gera a procura de familiares e amigos, revelou, acrescentando que o mesmo se passa com os turistas italianos que, segundo o INE, cresceram 28,3% em dormida qualificada.

O presidente do Turismo do Algarve congratula-se com o crescimento significativo, nos últimos três, de mercados emergentes como o Brasil, (+29,9%), os Estados Unidos (+15,4%) e o Canadá (+11,7%) – valor de setembro -, que permitem “diversificar” os mercados de procura e diminuir a dependência dos mercados tradicionais, como o britânico, alemão, holandês e irlandês.

Somando as dormidas de todos os mercados, os hotéis do Algarve registaram 1,9 milhões de dormidas em outubro (-0,6%) e acumularam 19,6 milhões (+2,2%) desde janeiro. Na totalidade dos hóspedes, o registo mensal da região é de 462 mil hóspedes (+0,4%) e o valor acumulado é de 4,7 milhões (+7,2%).

Os proveitos globais da hotelaria regional continuaram em alta, ascendendo a 96,6 milhões de euros (+1,7%) em outubro e acumulando 1.168,3 milhões de euros (+7%) nos primeiros dez meses do ano, um valor superior ao alcançado em todo o ano de 2018 (1.136,6 milhões de euros).

Pub