Pub

“Criámos uma ideia de Europa e inundámos essa Europa com umas conquistas sociais e uma garantia de um Estado Social que é muito, muito necessário mas que não é sustentável”, afirmou a presidente do Banco Alimentar (BA) Contra a Fome que falava num jantar-palestra promovido, no Hotel Eva, pelo núcleo do Algarve da ACEGE – Associação Cristã de Empresários e Gestores.

Jonet disse que o modelo de Estado Social que se vive hoje na Europa foi um modelo concebido a seguir à primeira Grande Depressão, em 1929, “onde a esperança de vida era de 55 anos”. “Ao longo dos anos, e sobretudo depois da primeira Grande Guerra, este modelo foi apurando e as pessoas foram também vivendo cada vez mais. O que é certo é que hoje, quando as pessoas se reformam com 65 anos, vão ter ainda que viver à custa deste Estado Social mais 20/25 anos, recebendo pensões de reforma que não têm qualquer comparação com os descontos que fizeram ao longo da sua vida ativa. E portanto aquilo que não é sustentável é o modelo de Estado Social que idealizámos para a Europa e que nunca foi atualizado para a evolução demográfica”, defendeu.

A oradora acrescentou ainda que “hoje em dia, o fascínio pela Europa acabou”. “A Europa deixou de marcar o ritmo. A Europa mudou completamente. Esta referência que continuamos a achar que somos, só podemos continuar a mantê-la pelo Cristianismo. Esse é que é um valor que devemos recuperar e de forma a conseguir tangibilizar nas nossas vidas este amor verdadeiro, mas vivendo-o, de facto, a começar nas nossas casas e depois propagando isto para as pessoas que estão à nossa volta. Se queremos que a Europa mantenha algum do seu poder, só pode ser por via do Cristianismo”, afirmou a presidente do BA, considerando que os europeus estão a “tirar o Cristianismo e Cristo” das suas vidas e lamentando o facto de “aqueles que vão à igreja não saberem sequer viver com amor pelo outro, na lógica do bem comum”.

“Deixámo-nos todos embarcar num mundo que não é humano, um mundo que nos obriga a viver ao ritmo de máquinas e que não é um ritmo real. Há uma desumanização total da sociedade porque achamos que vivemos todos ao ritmo da internet. Talvez, se não nos desumanizarmos, possamos viver bem com isto”, complementou.

Samuel Mendonça

Pub