Pub

Na Eucaristia, a que presidiu na igreja de Santa Maria, D. Manuel Quintas, na qual confirmou a sua presença naquele encontro mundial de jovens com Bento XVI a 16 a 21 de agosto deste ano, afirmou que “é Cristo que dá fundamento e firmeza à nossa fé e torna o nosso testemunho autêntico e verdadeiro”, lembrando que, “quando não estamos ligados a algo que alicerça a nossa vida ou queremos viver sem referências, ficamos totalmente frágeis, inseguros e desnorteados”, tornando-se “difícil construir o futuro”.

Com base na mensagem do Papa para a JMJ deste ano, intitulada «Enraizados e edificados n’Ele… firmes na fé» (cf. Cl 2, 7), o prelado aludiu à importância da inserção paroquial. “É inseridos nas vossas comunidades paroquiais que este enraizamento e a firmeza do alicerce se constrói”, evidenciou D. Manuel Quintas, advertindo que é “muito pouco” participar só nas JDJ ou “comparecendo em algumas celebrações ligadas aos jovens”.

O bispo do Algarve pediu ainda aos jovens que construam “relações inter-pessoais assentes na verdade e na solidariedade”. “É muito importante não abafar esta presença de Deus no coração humano, não eliminar Deus da vida das pessoas”, defendeu, criticando que hoje exista “uma grande tendência, na Europa, para fazer esquecer Deus da vida das pessoas” e para “reduzir a fé ao privado”.

Renovando o convite de Bento XVI aos jovens para participem na JMJ, D. Manuel Quintas considerou aquele encontro como “oportunidade de crescer na fé”, mas alertou que a “qualidade” daquela iniciativa “vai depender da preparação que se fizer”.

Na Eucaristia, em que foi entregue a cruz da JDJ à paróquia da matriz de Portimão onde se realizará a edição do próximo ano, o bispo diocesano disse ainda aos jovens que a Igreja precisa da sua “fé viva”, da sua “caridade criativa”, e do “dinamismo” da sua “esperança”. “A vossa presença renova a Igreja, rejuvenescia e dá-lhe um novo impulso”, acrescentou.

Na tarde festiva, que teve lugar na Escola Secundária Dr. Jorge Augusto Correia, D. Manuel Quintas desejou que os jovens saíssem daquela JDJ “mais convictos” da sua fé, “mais alegres” por conhecerem Cristo e “mais decididos” a identificarem-se com Ele e a testemunhá-l’O junto dos colegas”.

A JDJ teve início, na sexta-feira à noite, com a sessão de boas-vindas na praça central de Tavira, após o acolhimento, seguindo-se o visionamento do filme “Des hommes y des dieux”, que valoriza a fidelidade na fé em Cristo, e uma vigília de oração que teve início na igreja de Santa Maria e terminou na escola secundária, onde os jovens ficaram acantonados. Durante a madrugada houve ainda adoração ao Santíssimo Sacramento e administração do sacramento da Reconciliação para quem se quis confessar.

No sábado, para além da Eucaristia e da tarde festiva, que contou com a atuação do grupo musical “Modu’s” intercalada com apresentações resultantes dos trabalhos de grupos feitos nas paróquias sobre a mensagem do Papa, realizaram-se ainda quatro workshops sobre “Amizade e Afetos”, orientado pelo padre Joel Teixeira na igreja de São Tiago, sobre “Santidade e Vocações”, orientado pelo frei Paulo Ferreira na igreja de São Francisco, sobre “O papel dos jovens na Igreja de hoje”, orientado pelo padre Carlos de Aquino na igreja de São Paulo, e um último que questionava “Porquê casar quando posso juntar-me?”, orientado por dois casais na igreja de Santo António.

Samuel Mendonça

Pub