Pub

Da esqª para a dirª: Cón. Morais Palos, D. Manuel Quintas, D. José Alves, D. António Vitalino e D. João Marcos  © Paulo Rocha
Da esqª para a dirª: Cón. Morais Palos, D. Manuel Quintas, D. José Alves, D. António Vitalino e D. João Marcos
© Paulo Rocha

O cónego José Morais Palos afirmou hoje no encerramento das jornadas de atualização do clero das dioceses do Algarve, Beja e Évora que decorreram desde segunda-feira em Albufeira que a “docilidade e disponibilidade para aprender continuamente fazem parte do exercício do ministério sacerdotal”.

“A formação inicial é importante, mas torna-se cada vez mais necessária a formação permanente a nível humano, doutrinal, espiritual e pastoral”, sustentou o presidente do Instituto Superior de Teologia de Évora (ISTE) que organizou este ano a oitava edição da formação do clero do sul.

De acordo com as conclusões propostas a todos os participantes, os padres hoje têm de cultivar a proximidade aos jovens e às famílias, ser voz da esperança e “autênticos”, cultivando a “excelência” e a criatividade.

Os leigos “esperam que o sacerdote seja autêntico na fidelidade, cultive a excelência no serviço aos outros, seja criativo à maneira dos profetas, e líder como o pastor que conhece e cuida das ovelhas”, referiu.

Os sacerdotes das dioceses do Sul afirmaram também a necessidade de continuar a “investir” na Pastoral Vocacional como “exercício de toda a Igreja”.

Os problemas dos candidatos ao sacerdócio “são reflexo da conjuntura familiar”, onde faltam “vínculos” e “relações estáveis “, observam.

De acordo com as conclusões apresentadas pelo padre presidente do ISTE, é necessário “ajudar os jovens a passar da disponibilidade genérica para as decisões concretas”.

O cónego José Morais Palos afirmou ainda que o número de sacerdotes nas três dioceses se “mantém estável” e que é necessária “formação permanente”.

Na apresentação das conclusões do encontro, afirmou que, na Província Eclesiástica de Évora, que inclui Beja e o Algarve, o número de sacerdotes para as necessidades de cada diocese atravessa uma “situação é idêntica” ao do resto do país, “agravada” pela diminuição de população e pelo facto de muitos padres serem “de fora da diocese”.

As jornadas de atualização do clero, sobre o tema “Que pastores para a Igreja no mundo de atual?”, analisaram os números de padres em cada diocese nos últimos anos, concluindo que, apesar de “estável”, fica “aquém das necessidades”.

O trabalho e o perfil dos sacerdotes esteve em debate nas jornadas de atualização do clero das dioceses do Sul, contando com a intervenção do secretário para os seminários da Congregação para o Clero (Santa Sé), D. Jorge Patrón Wong.

com Ecclesia

Pub