Pub

D. Manuel Quintas pediu-lhes claramente na eucaristia, que teve lugar na igreja matriz de Portimão, que sejam, junto dos restantes membros da juventude algarvia, “testemunhas, mensageiros, profetas e apóstolos da alegria plena e verdadeira”, de quem encontrou em Cristo a “fonte” dessa alegria.

A Jornada da Juventude da Diocese do Algarve de 2012 concluiu-se ontem, na véspera da 27ª Jornada Mundial da Juventude (JMJ) que hoje a Igreja celebra, subordinada ao tema “Alegrai-vos sempre no Senhor”. A edição deste ano, do encontro algarvio, foi a mais participada da última década, com cerca de 460 jovens vindos de muitos pontos do Algarve, superando mesmo a Jornada Diocesana da Juventude (JDJ) de 2008, em Faro, com cerca de 420 participantes.

Centrando-se na mensagem do Papa para JMJ deste ano (tornada pública nas vésperas do encontro), o bispo do Algarve lembrou que a alegria é um “elemento essencial” e um “testemunho” da “experiência cristã, humana e de fé”. “O verdadeiro cristão nunca está triste ou desesperado, mesmo diante das provas mais duras. A alegria cristã não é uma fuga da realidade mas uma força sobrenatural para enfrentar e viver as dificuldades quotidianas”, citou o prelado, lembrando que “um rosto alegre é sinal de um coração feliz.”

Não esquecendo as “dificuldades”, “sobretudo a preocupação face ao futuro”, D. Manuel Quintas lembrou que “só Deus é fonte da verdadeira alegria”. “É importante conservar no coração essa alegria. Isto significa amar de modo constante e fiel. Se na nossa vida tudo for dom, serviço e doação, tudo será alegria”, complementou.

O bispo do Algarve lembrou ainda que um dos motivos da alegria cristã advém do sacramento da reconciliação, “uma possibilidade, que Cristo nos deixou, para reencontrar a alegria perdida”, e regozijou-se por esse ser um dos pontos altos das JDJ. “Sei que esta foi noite de muitos reencontrarem essa alegria”, afirmou, congratulando-se com o facto de, na noite anterior, ter havido confissões até às 5.30h, após a vigília de oração que decorreu naquela igreja com adoração ao Santíssimo Sacramento, hóstia, a qual, depois de consagrada, passa a ser o corpo de Cristo.

Antes, ao final da tarde de sexta-feira, a JDJ tinha iniciado com o acolhimento na escola EB 2.3 Professor José Buisel, onde os participantes pernoitaram. Ali, após o jantar, os jovens foram recebidos com algumas palavras de boas-vindas do padre Mário de Sousa, pároco da matriz de Portimão, de Isabel Guerreiro, vereadora com o pelouro da Juventude da Câmara Municipal de Portimão, e do padre António de Freitas, assistente do Secretariado Diocesano da Pastoral Juvenil que promoveu, uma vez mais, a JDJ.

Seguiu-se depois uma Via-Sacra ao vivo, promovida pelo Agrupamento 159 de Portimão do Corpo Nacional de Escutas, que teve início na igreja do Colégio e terminou na igreja matriz, participada por uma multidão de mais de um milhar de pessoas ao longo principais artérias do centro da cidade.

Ontem, D. Manuel Quintas apontou ainda os exemplos dos jovens italianos Pier Giorgio Frassati (1901-1925) e Chiara Badano (1971-1990), que morreram respetivamente como 24 anos e 19 anos, ambos beatificados não obstante a sua juventude, “porque souberam assumir a situação limite de sofrimento sem perder a alegria”.

No final da missa, o padre António de Freitas agradeceu o acolhimento e colaboração da paróquia da matriz de Portimão, exortou à participação na próxima JMJ que vai decorrer no Rio de Janeiro, Brasil, entre os dias 23 e 28 de julho de 2013 e anunciou que a próxima JDJ decorrerá em Faro, de sexta-feira até domingo de Ramos à tarde, tendo os jovens da matriz de Portimão entregado a cruz da JDJ aos jovens das paróquias da capital algarvia.

À Eucaristia seguiu-se a festa de encerramento no salão dos Bombeiros Voluntários de Portimão com sínteses dos trabalhos de grupo da mensagem do Papa, apresentadas sob forma de canções, jograis, encenações, danças, poemas ou gestos simbólicos, e com um concerto da banda algarvia escutista ‘Modu’S’ que levou ao rubro os presentes.

Samuel Mendonça

Pub