Pub

Depois de serem acolhidos na FISSUL, onde montaram o acantonamento, os jovens partiram, divididos por grupos compostos por duas ou três paróquias, para diversos locais da cidade onde partilharam do farnel trazido de casa e realizaram o trabalho proposto com base na reflexão da mensagem do Papa para a edição deste ano da JMJ, iniciada já anteriormente nas paróquias.

Após este primeiro momento, reencontraram-se todos junto à Câmara Municipal de Silves para o início da Vigília de Oração que os levou em caminhada, carregando a Cruz das JDJ (a mesma que percorreu até àquele dia as diversas paróquias da vigararia de Portimão), de regresso à FISSUL.

Marcada por momentos simbólicos, encenados e representativos, a vigília, presidida pelo padre Carlos de Aquino, pároco de Silves e assistente do Sector da Pastoral Juvenil da Diocese do Algarve, prosseguiu à entrada daquele pavilhão, tendo depois continuidade já no seu interior, com a adoração ao Santíssimo Sacramento, orientada pelo movimento dos Convívios Fraternos, numa das salas transformada em capela. A este espaço de oração juntaram-se mais quatro destinados a confessar quem quisesse receber o sacramento da Reconciliação.

No dia seguinte, 27 de Março, os jovens rumaram ao castelo da cidade para a Eucaristia presidida de manhã pelo Bispo do Algarve, cujo ofertório a favor das vítimas das catástrofes do Haiti, Madeira e Chile rendeu 259 euros.

Na celebração, D. Manuel Quintas começou por exortar os jovens a dirigir a Jesus a mesma pergunta que antes lhe fora feita pelo jovem rico – “Bom Mestre, que devo fazer para alcançar a vida eterna?” – e que este ano intitulou a mensagem de Bento XVI.

O Bispo diocesano, considerando que “raramente encontramos alguém que se preocupa com a vida eterna”, destacou que “não fomos criados para sobreviver, mas para viver plenamente”. Neste sentido, pedindo aos jovens que assumam o seu Baptismo e o seu Crisma, lançou-lhes um desafio: “não tenhais medo de vos encontrar com Cristo e de O levar para a vossa vida para que seja Ele o conteúdo de tudo o que procurardes, para que, com Ele, construais um mundo novo”.

D. Manuel Quintas manifestou ainda aos jovens a importância da sua colaboração nas paróquias do Algarve. “Sois necessários e importantes nas nossas paróquias”, disse-lhes, pedindo-lhes que não se preocupem apenas com aquilo que podem fazer nas comunidades. “A primeira preocupação é o que deveis ser, como presença contínua, constante e não esporádica, como alguém que encontra em Cristo sentido para a sua vida. E não deveis ter medo de manifestar publicamente a vossa opção em Cristo porque ser sinal de Cristo hoje é uma urgência, particularmente no meio dos vossos colegas e das vossas famílias. Cristo é Aquele que pode ser o alicerce da vossa vida. Não tenhais medo das propostas que Ele vos faz. Procurai uma vida mais feliz, mesmo que isso vos traga mais exigências”, exortou.

Após a entrega da Cruz das JDJ, no final da Eucaristia, às paróquias de Tavira, que irão receber a edição do próximo ano daquela iniciativa, seguiu-se um momento informal e descontraído de perguntas ao Bispo diocesano.

Os jovens quiseram sobretudo saber como podem integrar-se mais na Igreja, ao serviço das respectivas paróquias, e como poderão ultrapassar a dificuldade de testemunhar a fé em ambientes pouco favoráveis a esse anúncio. D. Manuel Quintas pediu-lhes que não se preocupem tanto em “fazer”, mas em “ser”. “A vossa primeira participação na vida da comunidade é sentir-se membro dela, testemunhar essa presença. Depois vão surgir aspectos em que podem colaborar, na dimensão litúrgica, sócio-caritativa, profética”, disse-lhes, considerando mais adiante que a sua presença “dilui-se bastante” nas paróquias. “Nas nossas comunidades há lugar para vós e quando não estais fazeis falta e a vossa presença é estímulo para todos como apelo à alegria, à generosidade, à doação e altruísmo”, salientou.

O Bispo do Algarve explicou-lhes ainda que o testemunho deve ser feito “por contágio”. “Deveis preocupar-vos em anunciar algo que desperte neles [colegas] curiosidade. O vosso testemunho não deve ser nunca envergonhado, pois aquilo que somos deve aparecer no modo como vivemos. É essencial que, quando quereis trazer jovens para a comunidade, o importante seja sempre a pessoa de Cristo”, disse-lhes, destacando o que devem apreciar no clero. “Não considereis moderno um padre que é parecido convosco, mas alguém que faz com que vós sejais parecidos com Cristo”, afirmou.

No final, o prelado deixou ainda um apelo às vocações de consagração, exortando os jovens a pensar se por ventura uma vida “mais feliz” não passará por essa via. “A Igreja do Algarve precisa de gente que se consagre plenamente à pessoa de Cristo, ao serviço das comunidades”, frisou.

A JDJ, promovida pelo Sector Diocesano da Pastoral Juvenil, teve continuidade à tarde com a Festa Jovem animada pelos Laudate e intercalada com apresentações das reflexões feitas nas paróquias e nos trabalhos realizados na véspera pelos grupos com base na mensagem do Papa.

Samuel Mendonça

Clique na fotopara ver outras fotos

Veja da Jornada Diocesana da Juventude mais fotos aqui

Pub