Inicio | Cultura | Livro da conversão de banda italiana vai ser apresentado no Festival Jota

Livro da conversão de banda italiana vai ser apresentado no Festival Jota

Foto © Samuel Mendonça
Foto © Samuel Mendonça

O Festival Jota, que se realiza este ano e pela primeira vez no Algarve, contará também com a apresentação do livro “A Estrada do Sol”, de Francesco Lorenzi, vocalista e compositor dos “The Sun”, a banda italiana cabeça de cartaz do evento.

A publicação, com prefácio do cardeal Gianfranco Ravasi, presidente do Conselho Pontifício da Cultura, agora traduzida para português e comercializada em Portugal através da editora Paulinas, foi apresentada em Itália em maio de 2014 e conta a história da conversão da banda.

Francesco Lorenzi, nascido em 1982, dedica-se à música desde muito jovem. Em 1997, com três jovens amigos de Vicenza, funda os “Sun Eats Hours”, banda rock punk de sucesso internacional, da qual era compositor e vocalista, que chegou a fazer primeiras partes de concertos de grandes bandas de renome mundial como os “The Cure”, “The Offspring” ou os “Muse”.

Ao fim de poucos anos, contabilizam quatro discos em inglês, mais de 300 concertos na Europa e no Japão, milhares de fãs da sua música e um prémio de Melhor Banda de rock punk italiana do mundo. É enorme a sua alegria em palco, mas a sua vida vai-se perdendo, devido a vários excessos relacionados com droga, álcool e sexo. Como Francesco conta no livro, ele próprio entra, então, numa crise “dolorosa e profunda”: sente que a ligação entre os membros da banda começa a perder-se e que lhes falta uma verdadeira inspiração.

Será esse, precisamente, o momento da viragem. Graças a uma série de “teoincidências” e tomadas de consciência, renasce como homem e como artista. O encontro com Jesus torna-se a centelha, graças à qual começa a escrever canções em italiano e a recuperar para a vida os seus amigos, afastando-os das suas dependências e colocando no centro o valor da amizade.

Em 2009, depois do intenso percurso de conversão descrito ao longo das 384 páginas da publicação, envolve a banda na busca de uma nova forma de fazer música. É assim que decidem, juntos, mudar o nome da banda para “The Sun” porque agora, “o «sol» que ilumina os seus corações, os guia para a realização desse novo caminho”. Dessa mudança resultam então dois álbuns – “Spiriti del Sole” e “Luce” – produzidos pela Sony Music e, em 2013, durante uma tournée pela Itália, Portugal, Palestina e Brasil, tocaram para os papas Bento XVI e Francisco. Na edição deste ano do Festival Jota vêm apresentar o primeiro single “Le case di Mosul” do novo álbum, intitulado “Cuore Aperto”, lançado o mês passado.

Como escreve o cardeal Ravazi, a autobiografia de Francesco Lorenzi narrada neste volume “não é apenas artística: constitui também um testemunho espiritual”. O purpurado lembra que a música permite “subir ao céu, ao eterno e ao infinito, ao mistério e à transcendência, ou, pelo menos, escutar uma voz de esperança, uma promessa de salvação” que chega do alto”. “Assim sucedeu a Francesco Lorenzi e aos seus amigos, como atesta a sua autobiografia tão apaixonada e apaixonante. E é essa experiência ao longo da «estrada do Sol» que ele deseja a todos aqueles rapazes e raparigas que caminham pelas ruas das nossas cidades com os seus auriculares transbordantes de música”.

A apresentação nacional do livro terá lugar no Festival Jota no dia 1 de agosto, pelas 17h, será feita pelo padre Pedro Manuel, sacerdote da Diocese do Algarve, contará com a intervenção da irmã Eliete Duarte, responsável da editora, com o testemunho do próprio Francesco Lorenzi e com a presença dos restantes elementos dos “The Sun” que farão um pequeno apontamento musical durante a sessão. O concerto dos “The Sun” no Festival Jota tem lugar nesse mesmo dia, à noite.

Verifique também

Infância, avós e novo circo marcam programa Lavrar o Mar no Algarve até maio

Dois espectáculos para a infância, outro de novo circo envolvendo avós e ainda uma caminhada …