Pub

A apresentação desta obra poética esteve a cargo de Maria Solange Estevens, natural de Cachopo e membro da Academia de Ciências de Lisboa, que também prefaciou a obra, onde confessa que ao “ler os poemas que compõem este livro… surpreendi-me e simultaneamente maravilhei-me”. São 76 poemas distribuídos por quatro capítulos: Raízes, Da Raíz à Fonde, Da terra do Silêncio e A Palvra no Canto. Alguns dos poemas são de homenagem: à mãe do autor, “Teu rosto”, ao Centro Paroquial de Cachopo, “As nossas vidas”, a D. Manuel Madureira Dias, “Esta Casa – Cachopo”, ao saudoso Padre Roger Pille, antigo Pároco de Cachopo, Martim Longo e Vaqueiros, “Na Sepultura”, a amigos e familiares, como por exemplo à irmã Cláudia, ao cunhado Albino e às sobrinhas Raquel e Débora, “Porto de Amor” ou ainda à grande poetisa Florbela Espanca.

Muitos dos poemas são de inspiração religiosa e motivação espiritual, outros de intervenção social: “Serviram a Fome”, “Alentejo”, “Wroclaw”, “Cuba”, outros ainda são belas evocações de Alcoutim Martim Longo, Giões e Cachopo as principais localidades “da deserdada serra do interior algarvio” no dizer de Maria Solange Estevens.

Raízes, foi impressa na Tipografia União e a capa e o design são da responsabilidade de Hugo João de Brito Vieira da Silva.

Conhecíamos o padre, o pároco de Silves, o liturgista e criativo pastor, autor de várias e inspiradas celebrações diocesanas, como por exemplo aquela com que encerramos em 5 de Outubro de 2009 no Centro Paulo VI na Cova da Iria a visita da imagem peregrina de Nossa Senhora de Fátima ao Algarve. Agora, com esta obra, revelou-se o Poeta, o sacerdote-poeta da Diocese do Algarve, Carlos Manuel Patrício de Aquino.

Pub