Pub

A polícia alemã concluiu ontem as buscas, sem adiantar pormenores, feitas num jardim de uma residência perto de Hannover, relacionadas com a investigação ao caso Maddie McCann, a criança britânica desaparecida em 2007 em Portugal.

Com recurso a cães pisteiros e escavadoras, os investigadores passaram durante o dia a pente fino uma pequena área de vegetação nesta zona habitacional no oeste de Hannover, no norte da Alemanha.

Grandes quantidades de terra e pedras foram levadas para fora do local delimitado por numerosos elementos das forças de segurança, de acordo com um fotógrafo da agência France Presse.

A busca terminou durante a tarde, após uma aeronave não tripulada da polícia ter sobrevoado a área. De acordo com o jornal Bild, não se espera que a busca seja hoje retomada.

Os investigadores não adiantaram até agora quaisquer pormenores sobre o resultado da diligência, que começou na terça-feira, nem sequer explicaram o que procuravam exatamente.

Vários meios de comunicação social afirmam terem sido escavadas as fundações de uma casa antiga com uma cave.

De acordo com o jornal local Hannoversche Allgemeine Zeitung (HAZ), um cão conseguiu entrar numa cavidade debaixo de uma laje antiga.

O arrendatário de uma propriedade vizinha disse ao diário Bild que a cave já existia há muito tempo e não tinha sido coberta quando o barracão do jardim foi demolido, no final de 2007.

Quando interrogada pela AFP, uma porta-voz do Ministério Público de Brunswick, responsável pela investigação, recusou-se a comentar as operações em curso.

O caso foi subitamente acelerado no início de junho, após a identificação de um novo suspeito, Christian B., 43 anos, um pedófilo alemão reincidente já condenado por violação em Portugal e atualmente detido na Alemanha por outro caso.

Segundo o HAZ, o suspeito vivia em Hannover em meados de 2007, pouco depois do desaparecimento de Maddie e teria frequentado este jardim.

“De facto, ele era discreto, sempre amistoso e fazia a sua própria jardinagem”, disse Jürgen Krumstroh, o responsável pela propriedade, à agência alemã dpa.

Krumstroh acabara por achar estranha a saída do suspeito do loteamento. “Ele anunciou-me sua demissão à tarde, entrou no carro cheio de malas e, depois disso, nunca mais ouvi falar dele”, acrescenta Krumstroh.

Os investigadores alemães estão convencidos de que Madeleine McCann, que desapareceu no Algarve há 13 anos, na altura com três anos, está morta.

A Procuradoria de Braunsschweig diz ter “evidências ou factos concretos” que suportam a tese de que Maddie McCann está morta, mas não “evidências forenses”, uma vez que o corpo da criança inglesa nunca foi encontrado.

Em 2007, o suspeito morava a escassos quilómetros do aldeamento turístico da Praia da Luz, onde Maddie McCann desapareceu.

Para a polícia alemã, Christian B é suspeito do homicídio da criança inglesa que estava de férias com os pais e os outros dois irmãos gémeos em Portugal no momento de seu desaparecimento.

Por outro lado, o advogado de defesa de Christian B., citado pelos media germânicos, refuta qualquer envolvimento do seu constituinte no desaparecimento das crianças.

De acordo com os órgãos de comunicação social locais, os investigadores alemães descobriram roupas de criança numa caravana que pertencia ao suspeito e estão na posse de discos contendo milhares de imagens de conteúdo pedófilo.

Pub