Pub

Osvaldo Ferreira, que também foi programador musical do Programa "Allgarve 2010 e 2011", disse à Lusa que decidiu deixar o país e os cargos que desempenhava na região algarvia “pelo total desinvestimento na Cultura, fora de Lisboa, por parte dos atuais responsáveis” políticos.

“Serão quase nulas as possibilidades de manter uma ligação com o país, a menos que alguma coisa mude”, frisou, em declarações exclusivas à Lusa.

Osvaldo Ferreira parte ainda este mês para ir dirigir a Orquestra Sinfónica do Estado do Paraná, com sede em Curitiba.

“É com muita satisfação e enorme sentido de responsabilidade que aceitei este convite da Orquestra Sinfónica do Estado do Paraná no Brasil, uma vez que é uma orquestra da qual se espera muito no contexto da atual conjuntura económica do Brasil”, disse o maestro, em entrevista exclusiva à Agência Lusa.

Osvaldo Ferreira afirmou que “conhece bem a realidade” da Orquestra que vai dirigir, "considerada uma das melhores do Brasil".

O objetivo, ao aceitar este desafio, é elevar o padrão de qualidade daquela orquestra e “transformá-la numa das melhores orquestras do toda a América Latina”, confessou.

O programador musical do “Allgarve 2010 e 2011” vai instalar-se em Curitiba, capital do Estado do Panamá, a partir de 21 de fevereiro, assinando um contrato para os próximos quatro anos.

Sobre quem o vai suceder na programação musical do "Allgarve 2011”, Osvaldo Ferreira declarou que não lhe compete designar o seu sucessor, mas assegura que a “programação de 2011 está praticamente encerrada”.

“Deixo um abraço e agradecimento a todo o Algarve, saio com o coração apertado, nunca esquecerei o carinho do público da Orquestra do Algarve e o quase incondicional apoio da maior parte das instituições, nas quais incluo sobretudo as câmaras municipais e os seus responsáveis máximos”, disse, desejando um “abraço especial” ao reitor da Universidade do Algarve, João Guerreiro, e aos antigos presidentes do Turismo do Algarve, António Pina e Paulo Neves.

Lusa

Pub