Breves
Inicio | Cultura | Mais de cem reclusos da prisão de Faro assistem a concerto de música clássica

Mais de cem reclusos da prisão de Faro assistem a concerto de música clássica

Prisao_faroMais de cem reclusos da prisão de Faro assistiram hoje a um concerto de música clássica no pátio interior do estabelecimento, que incluiu músicas de bandas sonoras de filmes como “Serenata à Chuva” ou “Os sete magníficos”.

A iniciativa da Orquestra Clássica do Sul integra-se no programa “Música em comunidade”, que visa levar a música clássica a espaços não convencionais e ao abrigo do qual já foram realizados concertos em hospitais.

Durante 45 minutos, a quase totalidade dos reclusos do Estabelecimento Prisional (EP) de Faro assistiu, quase em total silêncio, a uma orquestra a tocar ao vivo obras com sonoridades alegres e ritmadas, de diversos compositores.

“Sente-se um bocado a liberdade dentro destes muros. Por uns momentos esqueci-me de que estava aqui”, descreveu aos jornalistas um dos reclusos que assistiram ao concerto, Vítor, a cumprir pena há seis anos e que daqui a seis meses deverá ser libertado.

O recluso Jorge Diogo também aplaudiu a iniciativa, por permitir quebrar a rotina, opinião semelhante à de Carlos Ramos, que considera que deveria haver mais eventos destes na cadeia de Faro.

“Houve umas músicas que não me diziam nada, mas gostei muito de ouvir a ‘Serenata à chuva'”, contou o recluso, que está a contar os dias para terminar a pena, o que acontece dentro de três meses.

O diretor do EP de Faro, Alexandre Gonçalves, confessou que pensou duas vezes quando a orquestra lhe fez a proposta para tocar na prisão, por se tratar de música clássica, mas mostrou-se agradado com o resultado do evento, que gostaria de repetir.

“A população reclusa teve um comportamento sereno, estavam entusiasmados a ouvir música clássica, é fabuloso”, observou, mostrando-se surpreendido com o silêncio, que “não é normal” numa prisão.

O administrador da Orquestra Clássica do Sul, José Carlos Ferreira, explicou que se trata de uma experiência pioneira, o que significa que, para os músicos, tal como para os reclusos, também foi um dia diferente.

“Para nós também é uma quebra de rotina”, resumiu, acrescentando que o repertório escolhido continha músicas mais leves, para captar a atenção dos reclusos, e músicas de filmes, porque são “mais fáceis de ouvir”.

O maestro britânico John Avery, que se mudou para Portugal em 2004, ‘comandou’ os cerca de 30 músicos durante o concerto.

A Orquestra Clássica do Sul foi criada em 2013 com o objetivo de alargar a sua atividade à Andaluzia, Alentejo e Setúbal.

Esta orquestra é herdeira da formação original da Orquestra do Algarve, que nasceu em 2002.

Verifique também

Paróquia de São Sebastião de Loulé vai criar espaço museológico com património descoberto

O pároco de Loulé anunciou a criação de um museu com o património descoberto na …