Pub

A embaixadora de Marrocos, Karima Benyaïch, com o presidente da Câmara de Faro, Rogério Bacalhau
A embaixadora de Marrocos, Karima Benyaïch, com o presidente da Câmara de Faro, Rogério Bacalhau

A ligação marítima entre Faro e Tânger, no norte de Marrocos, é encarada pelas autoridades portuguesas e marroquinas como uma aposta para tornar os dois destinos turísticos complementares, disse hoje à Lusa a embaixadora de Marrocos, Karima Benyaïch.

Após a reunião que decorreu hoje em Faro com representantes portugueses e marroquinos, o presidente da Câmara de Faro, Rogério Bacalhau, contou à Lusa que a proposta foi acolhida com interesse pela Administração dos Portos de Sines e do Algarve que pretende diversificar a atividade do Porto de Faro.

Os parceiros marroquinos vão agora enviar as especificações dos barcos que pensam ser indicados para a ligação e as respetivas necessidades para acostarem para que as autoridades portuguesas possam perceber se há adaptações a fazer.

As duas cidades chegaram a estar ligadas por ‘ferry boat’ (embarcação que permite o transporte de automóveis), mas a ligação só durou dois anos, tendo sido desativada no início da década de 1990.

“Esta ligação para ser rentável não pode durar mais de quatro a cinco horas”, comentou o presidente da Câmara Municipal de Faro, Rogério Bacalhau, referindo que é preciso tornar a viagem rápida e atrativa para os utilizadores.

A concretizar-se, a ligação traria maior movimento ao Porto de Faro e vantagens para as empresas portuguesas que exportam para Marrocos e que agora recorrem aos portos espanhóis.

“É muito importante ter uma ligação direta entre o Algarve e o norte de Marrocos porque somos vizinhos quase imediatos e temos uma cultura comum histórica muito rica, com influências de ambas as partes nas duas margens”, prosseguiu a embaixadora.

Uma comitiva marroquina tem estado no Algarve em contactos com as entidades públicas, mas também com a Universidade do Algarve, associações e entidades ligadas ao turismo com o intuito de criar estratégias para que ambos os destinos se complementem e potenciem.

O reino de Marrocos tem vindo a definir várias estratégias para fomentar o turismo e no caso da relação ao Algarve existe ainda a vontade de criar uma rota aérea.

Em 2010, Marrocos atingiu a meta de acolher 10 milhões de turistas e os responsáveis do setor querem que em 2020 o país conste da lista dos 20 maiores destinos turísticos mundiais, explicou Karima Benyaïch.

Pub