Inicio | Igreja | Mensagem de Natal do bispo do Algarve apela à criação de uma “Europa do espírito”

Mensagem de Natal do bispo do Algarve apela à criação de uma “Europa do espírito”

D. Manuel Quintas recupera assim o apelo do Papa João Paulo II, em 2003, na exortação apostólica ‘Ecclesia in Europa’, que considera assumir “plena atualidade”, para deixar uma mensagem de esperança nesta quadra natalícia marcada por uma das maiores crises europeias de sempre.

O prelado, no vídeo divulgado há pouco no Portal da Diocese do Algarve na Internet, no seu canal no YouTube e noutras redes sociais, recorda que “a Igreja sente o dever de renovar com vigor a mensagem de esperança que Deus lhe confiou e que repete à Europa: Não temas! O Evangelho não é contra ti, mas a teu favor”. “Tem confiança! Podes estar certa! O Evangelho da esperança não desilude! Nas vicissitudes da história de ontem e de hoje, é luz que ilumina e orienta o teu caminho; é força que te sustenta nas provações; é profecia de um mundo novo; é indicação de um novo início; é convite a todos, crentes e não crentes, para traçarem caminhos sempre novos”, sustenta o prelado.

D. Manuel Quintas repete ainda aos algarvios o convite do anjo aos pastores de Belém – “Não temais nasceu-vos hoje um Salvador, que é Cristo Senhor” –, lembrando a celebração do Natal num “tempo marcado pela incerteza, numa região com a maior taxa de desemprego do país e as consequências que daí advêm”. “Este convite à confiança e à esperança é expressão da presença de Deus e garantia da sua proteção junto daqueles aos quais confia uma missão, como aconteceu com Maria; é certeza da presença de Cristo, que serena o «mar agitado» da vida, e acompanha, de modo permanente em todos os tempos, a ação dos seus discípulos”, complementa.

O bispo do Algarve lembra ainda ser “este mesmo convite, que o apóstolo Pedro dirige às comunidades cristãs primitivas: «Não temais, nem vos deixeis perturbar. Mas venerai Cristo Senhor nos vossos corações e estai sempre prontos a responder a todo aquele que vos perguntar a razão da vossa esperança»”. “A verdadeira esperança, aquela que resiste apesar de todas as desilusões, só pode estar n’Aquele que nos amou e continua a amar «até ao fim», cujo nascimento, mais uma vez, nos preparamos para celebrar”, acrescenta o prelado.

D. Manuel Quintas lembra ainda a importância da caridade, pedindo “semeadores da esperança”, “fruto da caridade solidária recebida e oferecida” nesta quadra. “Celebrar o Natal é corresponder, de modo permanente, ao apelo quotidiano de estender o testemunho da caridade, para além das fronteiras da comunidade eclesial, envolvendo toda a pessoa, de tal modo que o amor por todos os homens se torne estímulo de autêntica solidariedade em toda a vida social”, explica, lembrando que, “quando a Igreja serve a caridade, faz crescer simultaneamente a cultura da solidariedade, contribuindo para dar nova vida aos valores universais da convivência humana”.

Samuel Mendonça

Verifique também

Primeira saída da imagem da Mãe Soberana do concelho de Loulé foi para visitar Silves

A história do culto e da devoção a Nossa Senhora da Piedade, popularmente evocada como …